Avançar para o conteúdo principal

As coisas que eu descubro

Não sou uma mãe que passe a vida na escola a falar com a professora. Em primeiro lugar porque não é do meu feitio e em última instância porque não tenho tempo. Não falho as reuniões de pais e quando percebo que a criança anda mais agitada, marco uma pequena reunião, mas por norma até consigo gerir as coisas por email.

Sei o que ela estuda, acompanho no portal os sumários, vou lá de vez em quando ver alguma novidade, as notas, comentários e afins, mas hoje concluo que tenho estado desatenta, o que não é meu apanágio por sinal. Então não é que a miúda pelos vistos tem "Robótica" e eu ainda não me tinha apercebido. Por isso é que ela quer um Robot. Tudo começa a fazer sentido.


No meu tempo era Língua Portuguesa, Matemática e Meio Físico e Social - já não bastava terem mudado o nome para Estudo do Meio, ainda têm mais áreas do que eu tinha em cada ano de faculdade. Os futuros Drs. deste país vão saber muitas coisas. Tenho fé neles!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,