Avançar para o conteúdo principal

As decisões dúbias do Estado português

Portanto o bebé que foi abandonado tristemente à sua sorte no Ecoponto amarelo e que graças a várias situações se safou e com saúde, já foi entregue e muito bem a uma família de acolhimento. Precisa de colo, de afecto, de carinho, de atenção - tudo aquilo que lhe foi negado desde o primeiro contacto com a vida extra-uterina. Era ainda mais desumano ser entregue a uma instituição.

O Estado português proporciona à família de acolhimento uma compensação de 601€ por mês, para comparticipação das despesas da criança que é tutelada pelo Estado - totalmente de acordo.

Mas o mesmo Estado português, e entidades como o MP em processos de regulação das responsabilidades parentais acham que uma mãe que fica com uma criança a cargo completamente sozinha e não sendo essa mãe abastada, tem que se aguentar com uma pensão de alimentos em regime de tudo incluído de pouco mais que uma centena de euros.

Não deveriam ser encaradas da mesma forma as despesas com uma criança? O altruímo de uma família de acolhimento é compensado desta forma...e então o esforço de mães e/ou pais que ficam com os seus filhos sozinhos, sem os abandonarem à sua sorte e com constantes sacrifícios e desafios para que nada lhes falte, já que a outra parte se está a borrifar!?

Honestamente mesmo que não me tocasse a mim, causar-me-ia a mesma urticária aguda que me causa o sentir na pele estas injustiças.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes as p