Avançar para o conteúdo principal

Quem é o saco de pancada para colmatar as frustrações da filha!?....

....evidentemente até isso tinha que sobrar para mim.

Anda numa fase difícil de há umas semanas a esta parte. Dificuldade em reconhecer-me autoridade, sempre teve, daí eu ter que abrir os olhos, levantar a voz, castigar. Tenho a perfeita noção que o facto de ser permissiva de um modo geral aliado ao feitio dela, que não é bom faz com que ela se ache a "Rainha da Cocada Preta", mas quando a situação azeda ela sabe bem quem manda lá em casa.

Mas a idade já começa a ser outra, a exigência também, as frustrações idem e os efeitos da pré-adolescência ainda mais. Para além disso temos para ali uma questão qualquer Freudiana por resolver, mas da qual eu não tenho culpa nenhuma e aconselho-a amiúde para o fazer com o pai; it's not my problem, ou, como dizem os meus queridos amigos espanhóis, no es mi problema.

Esta semana posso dizer que fomos do Inferno ao Céu, para pararmos depois no Purgatório e voltar a baralhar tudo. Dia do Pai. Nada combinado, o que em meu entender até para descansar ânimos inquietos deveria ter sido feito, mas não foi - voltando aos espanhóis, se o dia era o do Pai, a falta de calendarização apropriada, no es mi problema ou, não deveria ser, pelo menos.

Pois que a fui buscar à hora habitual, vinha ela de presente feito por ela, olha para mim na diagonal e os olhos dela procuravam algo na rua, algo que não se mostrou. Ainda não tinhamos entrado no carro, já estava numa gritaria, depois de entrar, passou a dar safanões no carro e depois da adrenalina gasta, veio o choro.

"Porque o meu papá não me veio buscar, porque agora só o vejo daqui a 15 dias e não lhe vou dar a prenda!"

Porra, e eu que não sou de dizer palavrões, isto custa-me, mas que porra é esta. Isto deixa marcas num ser humano, que só quem já passou por isto sabe avaliar. Pero...que culpa tengo yo!? Ela chorava por fora e eu por dentro, mas assim mesmo, abateu-se sobre mim aquela presença de espírito que peço sempre nos piores momentos, olhei para trás com o meu melhor sorriso, limpei-lhe as lágrimas e fiz o meu melhor: olha lá Unicórnio Magenta, disse eu; não achas que se o papá pudesse ter vindo buscar-te, não estaria aqui? Se não está, obviamente é porque não pode, está a trabalhar, por isso a mamã está aqui.

Lá reduziu a intensidade de choraminguice e eu lembrei-me da cartada:

E se fossemos as duas jantar ao McDonald's?

"Yuppi mamã, eu quero, eu quero! E quando for o Dia da Mãe vou dar-te uma prenda muito bonita, tá bem?"

Passado algum tempo, passámos à segunda fase; eram para aí 19:20h e o telefone toca. Era o pai da Unicórnio Magenta. Respirei fundo e pensei: o homem faz-se. Passei-lhe o telefone, trocaram meia dúzia de palavras e oiço ao longe "passa lá o telefone à mãe".

Bom, lá perguntou se a podia levar a jantar. Obviamente que pode e deve, embora eu continue a achar que as coisas deveriam ser combinadas de outra forma mas isso já são outros 500. Apareceu para a levar a jantar eram 9 da noite, sim, 9 da noite. Estamos a falar de uma criança de 8 anos que se deita às 21:30h, mas tudo bem, dias não são dias. O problema foi o que eu tive que aturar entre as 19:20h e as 21:00h que foi a hora a que apareceu. Ele já não vem, ele está a jantar com os meus manos e esqueceu-se de mim, ele não gosta de mim, eu quero ir ao McDonald's, etc, etc, etc.

E eu, pacientemente dizia, ele vem a caminho, está no trânsito, não te enerves, tem calma contigo, etc, etc, etc.

Quando ele tocou à porta, novo drama - "Buáááááááá, mas eu não quero deixar-te a jantar sozinha mamã. Tu és minha amiga!"

Oh miúda, disse eu. E o que é que ires jantar com o pai no Dia do Pai tem a ver com gostares da mamã! Hoje é para estares com o papá, vai, aproveita, dá-lhe beijinhos, salta para o colo dele, agarra-te ao pescoço dele. Ele gosta de ti por isso trata de te divertires.

E foi...e eu suspirei de alívio após 2 horas de verdadeiro tormento. Nervosa por vê-la naquele sofrimento, naquela desilusão, naquela ansiedade. Não obstante o facto de me ter devolvido o Unicórnio Magenta à meia noite, sendo o dia a seguir de escola, fiquei aliviada pelo facto de ter estado com a filha e contribuir para a felicidade e alegria dela.

No dia a seguir de manhã para levantar da cama quem sofreu...mais uma vez o saco de pancada que é a mãe.

Eu aguento, não tenho mesmo outro remédio, mas começo a pensar seriamente que tenho que me inscrever no Boxe. Sim, eu também preciso de um saco de pancada, literalmente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.