Avançar para o conteúdo principal

Acerca da Coragem

Existem uma série de qualidades que aprecio num ser humano, mas uma das que mais admiro é a Coragem. A coragem não deixa de ser um conceito que abrange várias áreas: podemos ter uma pessoa que decide lutar corpo a corpo com um Dragão de Komodo, outra que dorme na cama com uma Píton, outra que lida com um cancro como se de uma gripe se tratasse e até outra que se atreve a pôr em causa publicamente a Teoria da Relatividade do Einstein. Portanto, há de tudo.

Mas seja em coisas mais simples ou mais complexas, ter Coragem revela grandeza, revela….coragem! E uma ínfima parte da sociedade a detém, essa é a verdade, sendo que, um dos defeitos que mais me causa urticária é a cobardia.

Há muitos anos atrás passei por uma situação inusitada; tinha uma relação afectiva com a pessoa mais cobarde que conheci à face da terra. E eis que uns dias antes a garagem de casa dessa pessoa tinha sido assaltada, entre outras viaturas a dele foi uma das visadas e como a pessoa era teimosa e deixava lá os óculos de sol (que eu tinha oferecido), claro que lhe chamaram um figo. Estava lá eu a pernoitar num certo dia quando oiço algazarra na garagem, e que faço eu...levanto-me. Atenção que a parte seguinte é de extrema violência, tal não é a cobardia.

Pois que aqui a menina estava de Baby-doll vestido, calça uns chinelos, empunha numa mão uma faca de cozinha, na outra, o cabo da vassoura e vai na sua demanda confrontar os "Salteadores da Garagem do Prédio"! E o que fez o outro em vez de me demover ou, ante a minha teimosia chamar a Polícia, ou fosse o que fosse? Faz de mim "escudo", veio de gatas atrás de mim, porque caso fosse caso de levar um tiro ou uma facada, homem que é homem, põe a mulher à frente.

Claro que fiz barulho para afugentar a gatunagem e quando lá chegámos não só fugiram, como naquele dia não conseguiram furtar nada. Aí percebi que aquele meu casting tinha saído completamente ao lado.

Ontem por acaso surgiu mais uma situação para resolver onde, meus senhores, onde!? 1, 2, 3, diga lá outra vez!...No condomínio, pois está claro. E como já me coloquei à margem de chatices, resolvi delegar o que deveria ser feito que não era mais do que enviar uma cartinha para esclarecer uns tópicos e que resposta tive!? Ah….logo se vê, temos tempo.

Pois bem, quando eu estava activamente à frente das coisas tinha que dar o corpo às balas. Como agora têm que ser eles a fazê-lo a resposta é "ah, e tal"!

Gente de fibra, sim senhor. E eu que não sou feminista, apenas gosto que todos tenhamos acesso aos mesmos direitos e deveres, independentemente do nosso género, raça, religião, orientação sexual e afins, acho que enquanto homem tinha vergonha na porca da cara por ter sido uma mulher sozinha a resolver aquilo que uma série de homens não conseguiu fazer - falando do meu condomínio obviamente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.