Avançar para o conteúdo principal

Diz o ditado que família não se escolhe, mas não é bem assim

Ontem a minha filha teve uma saída que me arrepiou, mas à qual não dei grande importância, pelo menos perante ela.

Estávamos a almoçar com um amigo nosso e ela, com um sorriso de orelha a orelha vira-se para ele e diz:

"Sabes, na terça-feira vai ser um dia muito importante. Vai ser o Dia do Pai. E eu já fiz uma prenda para dar ao meu pai!" - e ria, um riso de pura felicidade.

Quando chegámos a casa começou a choramingar, porque uma das peças que compõe o presente é uma fotografia dela tirada pela professora, fotografia essa que desconheço mas que, segundo ela, "está feia". E então choramingava porque não queria dar uma fotografia em que estivesse feia ao pai.

Lá dei a volta à coisa e disse-lhe que uma menina tão bonita não pode ficar feia numa fotografia e que o pai gosta dela de qualquer das maneiras e mais vai gostar de receber um presente feito por ela.

Parou de choramingar não sem antes me dizer: "olha mamã, mas a tua prenda do Dia da Mãe vai ser ainda mais bonita, tá bem?"

E as crianças são isto mesmo - embora se trate de um pai ausente que podia fazer com ela muito mais do que faz, e escrevo com ela, porque de facto dadas as circunstâncias é o que mais me preocupa, é o herói que ela tem, e gosta muito dele. A parte do "por ela" já é uma questão de adultos e a ter que ser algum dia dissecada, será entre nós pais e tenho como ponto de honra que jamais a miúda terá que perceber que o pai não colabora como deveria com o que são as suas obrigações a outros níveis. 

Não tendo ela escolhido em que barriga ia calhar, eu e o pai escolhemo-nos um ao outro para que ela existisse, portanto se falhas existem a apontar, devem ser resolvidas ou não entre os pais e nunca utilizando os mais pequenos como bombos da festa.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.