Avançar para o conteúdo principal

O conceito de amizade para os mais pequenos

Com as gentes miúdas, é tudo muito volátil e vivido com uma intensidade completamente diferente do que podemos imaginar se não analisarmos os episódios a frio.

Enquanto impera a idade da inocência, quando se aborrecem sai o típico "não gosto mais de ti", "não sou mais tua amiga" e afins - mas quando a zanga passa, a amizade passa também a ser a melhor do mundo - até um dia.

Noto na Bébécas um sentido de justiça apurado, mas que contesto; se um amigo/a bate noutro/a e esse/a outro/a não se defende, a Bébécas salta de peluche em punho e trata da saúde ao agressor/a.
Faz-me lembrar a Mônica, da turma com o mesmo nome, apenas lhe faltam as favolas salientes.

Tem um amor desmesurado sobretudo por 2 pessoas neste momento, e se sente que alguma delas por algum motivo lhe falha, sente-se; esta semana, quando a fui pôr à fiel depositária perguntou-me para onde é que eu ia, eu disse-lhe que ia trabalhar - com ar de indagação questionou se eu não ia para casa, se não estava de férias; lá lhe expliquei que jamais a deixarei para me dedicar a gozar férias ou seja o que for sem ela também poder usufruir de bons momentos - fez um ar de quem entendeu.

Não via uma das melhores amigas dela, há cerca de 1 mês; pois na última aula de Inglês a C. regressou, mas nós chegámos um pouco atrasadas por motivos alheios à nossa vontade; pois foi-me comentado que a C. não queria ir para a aula sem a Bébécas e começou a chorar....foi uma alegria aquele reencontro.
Mas passados 2 minutos são capazes de se degladiar por um simples lápis de côr.

Confesso que não é preciso analisar muito estas questões para ver que a genuinidade é amiga do respeito, da verdadeira amizade e que é tão bom enquanto se está na idade da inocência.

Curioso também é o facto de, mesmo quando me zango com ela e a faço sentir que estou desiludida, jamais me disse "não gosto de ti" - muito pelo contrário, continua a reforçar que gosta muito de mim e que se vai portar bem.

Sei que não, alguns disparates fazem parte da nossa existência, mas gostava tanto que ela integrasse na personalidade dela os valores que considero básicos e que mais prezo.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,