Avançar para o conteúdo principal

A preocupação com a avó

A Bébécas até ao momento tem de facto duas paixões indiscutíveis - a mamã e a avó.

Creio que à sua maneira, nem ela sabe de quem "gosta" mais, se é que isso se pode quantificar, mas os laços entre as três são de facto muito fortes.

Gosta dos amigos mais íntimos, dos primos, dos tios, dos padrinhos, do avô (pessoas a quem por uma ou outra vez já chamou de pai - facto que corrijo, porque apesar de ter um progenitor como todos nós sabemos, é o progenitor dela, e ou tratamos os nossos progenitores por pai/mãe, ou não tratamos mais ninguém).

É como tudo, o meu padrasto é um grande amigo, foi o pai que o meu não soube ser, mas jamais o tratei por pai, não fazia sentido, contudo, tratar o meu "pai" por Pai, também é algo que vai contra os meus princípios, porque na realidade pouco tempo o foi - mas apesar de tudo, melhor do que a o progenitor da minha filha, sem qualquer dúvida. Não faltou ao respeito à minha mãe nem nunca a humilhou da forma que a outra criatura o fez e é de uma educação e cultura extremas, o que apesar de tudo me faz sentir um certo orgulho da herança genética que me legou.

Mas quem lhe toca na avó e na mãe, toca-lhe na menina dos olhos.

Recentemente a avó escorregou e caiu - resultado, partiu os óculos, ficou com a face toda cheia de mazelas, um pouco mal tratada, no fundo. Pois desde esse dia, a criança não fala de outra coisa com quem se cruza na rua. Porque a avó caiu e fez dói-dói, e partiu os óculos, e tem sangue na cara e coitadinha da avó, e que temos que fazer muitas festinhas...no meio de ser tão tresloucada, a minha filha é tão, mas tão sensível.

Espero que não perca essa qualidade, pois é meio caminho andado para se saber respeitar a ela e aos outros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri