Avançar para o conteúdo principal

A preocupação com a avó

A Bébécas até ao momento tem de facto duas paixões indiscutíveis - a mamã e a avó.

Creio que à sua maneira, nem ela sabe de quem "gosta" mais, se é que isso se pode quantificar, mas os laços entre as três são de facto muito fortes.

Gosta dos amigos mais íntimos, dos primos, dos tios, dos padrinhos, do avô (pessoas a quem por uma ou outra vez já chamou de pai - facto que corrijo, porque apesar de ter um progenitor como todos nós sabemos, é o progenitor dela, e ou tratamos os nossos progenitores por pai/mãe, ou não tratamos mais ninguém).

É como tudo, o meu padrasto é um grande amigo, foi o pai que o meu não soube ser, mas jamais o tratei por pai, não fazia sentido, contudo, tratar o meu "pai" por Pai, também é algo que vai contra os meus princípios, porque na realidade pouco tempo o foi - mas apesar de tudo, melhor do que a o progenitor da minha filha, sem qualquer dúvida. Não faltou ao respeito à minha mãe nem nunca a humilhou da forma que a outra criatura o fez e é de uma educação e cultura extremas, o que apesar de tudo me faz sentir um certo orgulho da herança genética que me legou.

Mas quem lhe toca na avó e na mãe, toca-lhe na menina dos olhos.

Recentemente a avó escorregou e caiu - resultado, partiu os óculos, ficou com a face toda cheia de mazelas, um pouco mal tratada, no fundo. Pois desde esse dia, a criança não fala de outra coisa com quem se cruza na rua. Porque a avó caiu e fez dói-dói, e partiu os óculos, e tem sangue na cara e coitadinha da avó, e que temos que fazer muitas festinhas...no meio de ser tão tresloucada, a minha filha é tão, mas tão sensível.

Espero que não perca essa qualidade, pois é meio caminho andado para se saber respeitar a ela e aos outros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,