Avançar para o conteúdo principal

A propósito da pequena "Maria", loira com olhos verdes, que tinha sido raptada, mas ao que parece foi "vendida" pelos pais que são ciganos

Tenho a dizer sobretudo o seguinte:

Continua a saber-se muito pouco acerca dos conceitos de raça e etnicidade, daí pensarem ser impossível um casal cigano ter um filho loiro...já nem vou para os campos da genética. Preconceito mesquinho!

E agora lembrei-me de um pormenor perfeitamente delicioso; a minha filha nasceu com o cabelo liso e manteve-o assim até perto dos 9 meses, altura em que começou a ganhar mais força e volume e a encaracolar gradualmente. Até ficar o cabelo maravilhoso que ela tem hoje que não deixa de ser muito curioso - apesar dos cachos e caracóis completamente definidos, a raiz dela é totalmente lisa - impressionante.

Neste contexto, quando o cabelo começou a ganhar a sua verdadeira forma, o progenitor da minha filha, numa das poucas frases que trocamos perguntou-me se o cabelo dela ia ficar assim, ou "igual" ao meu; ri-me  por dentro, confesso - por pormenores aqui a ali fui percebendo ao longo do tempo que a minha negritude o passou a incomodar, tal como incomoda à família da Galmudas e afins - mas é a vida, a Bébécas existe, e o meu código genético, está lá, e gosto de mim como sou. A beleza física que tanto me fazem crer que tenho (estou prestes a acreditar) deve-se exactamente à minha mistura de raças e à forma equilibrada como acabei por sair, e isso é maravilhoso.

Mas voltando à cena do cabelo da Bébécas, não deixa de ser interessante que um progenitor, até com a possibilidade da filha ter carapinha se incomoda - como as pessoas mudam, ou melhor, como as pessoas vão revelando a sua verdadeira essência ao longo do tempo.

Pois sim, tenho então a dizer que a minha mistura foi tão bem feita, que, na minha farta cabeleira, tanto nascem cabelos lisos, que nunca chegam a frisar, nasce carapinha, nascem cabelos castanhos e loiros - é verdade. Desfriso o cabelo há muitos anos, mas também durante muitos anos usei o meu cabelo curto e estilo Afro e nada me garante que não o volte a fazer; são fases apenas.

Mas não, descansem-se as criaturas com espinhas rácicas enterradas na garganta, que a Bébécas não tem carapinha, mas é só por acaso; e tal como a menina cigana, podia muito bem ser loira e ter olhos azuis; apenas não calhou.

Valha-nos a falta de cultura, até de jornalistas que optaram por dar as primeiras notícias do caso "Maria" da forma como o fizeram.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,