Avançar para o conteúdo principal

A propósito da pequena "Maria", loira com olhos verdes, que tinha sido raptada, mas ao que parece foi "vendida" pelos pais que são ciganos

Tenho a dizer sobretudo o seguinte:

Continua a saber-se muito pouco acerca dos conceitos de raça e etnicidade, daí pensarem ser impossível um casal cigano ter um filho loiro...já nem vou para os campos da genética. Preconceito mesquinho!

E agora lembrei-me de um pormenor perfeitamente delicioso; a minha filha nasceu com o cabelo liso e manteve-o assim até perto dos 9 meses, altura em que começou a ganhar mais força e volume e a encaracolar gradualmente. Até ficar o cabelo maravilhoso que ela tem hoje que não deixa de ser muito curioso - apesar dos cachos e caracóis completamente definidos, a raiz dela é totalmente lisa - impressionante.

Neste contexto, quando o cabelo começou a ganhar a sua verdadeira forma, o progenitor da minha filha, numa das poucas frases que trocamos perguntou-me se o cabelo dela ia ficar assim, ou "igual" ao meu; ri-me  por dentro, confesso - por pormenores aqui a ali fui percebendo ao longo do tempo que a minha negritude o passou a incomodar, tal como incomoda à família da Galmudas e afins - mas é a vida, a Bébécas existe, e o meu código genético, está lá, e gosto de mim como sou. A beleza física que tanto me fazem crer que tenho (estou prestes a acreditar) deve-se exactamente à minha mistura de raças e à forma equilibrada como acabei por sair, e isso é maravilhoso.

Mas voltando à cena do cabelo da Bébécas, não deixa de ser interessante que um progenitor, até com a possibilidade da filha ter carapinha se incomoda - como as pessoas mudam, ou melhor, como as pessoas vão revelando a sua verdadeira essência ao longo do tempo.

Pois sim, tenho então a dizer que a minha mistura foi tão bem feita, que, na minha farta cabeleira, tanto nascem cabelos lisos, que nunca chegam a frisar, nasce carapinha, nascem cabelos castanhos e loiros - é verdade. Desfriso o cabelo há muitos anos, mas também durante muitos anos usei o meu cabelo curto e estilo Afro e nada me garante que não o volte a fazer; são fases apenas.

Mas não, descansem-se as criaturas com espinhas rácicas enterradas na garganta, que a Bébécas não tem carapinha, mas é só por acaso; e tal como a menina cigana, podia muito bem ser loira e ter olhos azuis; apenas não calhou.

Valha-nos a falta de cultura, até de jornalistas que optaram por dar as primeiras notícias do caso "Maria" da forma como o fizeram.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.