Avançar para o conteúdo principal

A mamã avisa - a filha não faz caso - depois...chora

Tem sido recorrente este silogismo, e por mais que eu tente com base no diálogo fazer com que ela perceba, quando de facto entende, chorar é o melhor remédio.

Eu sei, dialogar a este nível com uma criança de 3 anos não é a melhor forma de a fazer entender que lá em casa quem manda é a mãe e se a mãe diz que não, é NÃO, porque existe sempre uma razão lógica para tal - falha no facto de lhe explicar a razão lógica, ela argumentar com o "mas eu quero" ou o ainda pior "mas eu quero agora!" o caldo entorna, eu fico chateada e o resultado é o mesmo, porque ao ser contrariada, a berraria é ensurdecedora.

Passei à fase de avisar apenas uma vez, não ceder ao "mas eu quero agora", salvo se se trata de questões escatológicas ou de maior gravidade como é óbvio e aguardar calmamente pelo desfecho que antevi que iria acontecer.

Pois que ontem, teimosa como sempre andava a esticar até ao limite um colar dela, bem engraçado que uma amiga lhe ofereceu; avisei-a que, em primeiro lugar, não se faz aquilo aos colares, não é para isso que eles servem e que nunca viu certamente a mamã a ter uma brincadeira tão infeliz e em segundo lugar que aquilo ia rebentar - disse o que tinha a dizer, calei-me e fui à minha vida.

Nem 20 segundos após este monólogo e consequente teimosia da Lady Bébécas, oiço num crescendo um berreiro de fazer tremer a estrutura do edifício, as coelhas Diana e Victória assustadíssimas e o que restava do colar em dezenas de contas espalhadas pelo chão.

Não resisti ao típico "é bem feita, eu avisei" a que se seguiu uma sinfonia de choro ainda mais acentuada.

Tarefa seguinte: foi apanhar conta a conta e colocar numa tigela, recuso-me terminantemente a arranjar-lhe o colar pois o desvario foi fruto do facto de não acatar o que lhe digo, e a criança lá foi dizendo que ia pedir à tia para arranjar. Tudo bem, da minha parte já sabe que não mexo uma palha para lhe repor coisas que estraga sem qualquer necessidade.

No fim da "gincana" o ainda mais típico "gostas de mim mamã?".


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…