Avançar para o conteúdo principal

A mamã avisa - a filha não faz caso - depois...chora

Tem sido recorrente este silogismo, e por mais que eu tente com base no diálogo fazer com que ela perceba, quando de facto entende, chorar é o melhor remédio.

Eu sei, dialogar a este nível com uma criança de 3 anos não é a melhor forma de a fazer entender que lá em casa quem manda é a mãe e se a mãe diz que não, é NÃO, porque existe sempre uma razão lógica para tal - falha no facto de lhe explicar a razão lógica, ela argumentar com o "mas eu quero" ou o ainda pior "mas eu quero agora!" o caldo entorna, eu fico chateada e o resultado é o mesmo, porque ao ser contrariada, a berraria é ensurdecedora.

Passei à fase de avisar apenas uma vez, não ceder ao "mas eu quero agora", salvo se se trata de questões escatológicas ou de maior gravidade como é óbvio e aguardar calmamente pelo desfecho que antevi que iria acontecer.

Pois que ontem, teimosa como sempre andava a esticar até ao limite um colar dela, bem engraçado que uma amiga lhe ofereceu; avisei-a que, em primeiro lugar, não se faz aquilo aos colares, não é para isso que eles servem e que nunca viu certamente a mamã a ter uma brincadeira tão infeliz e em segundo lugar que aquilo ia rebentar - disse o que tinha a dizer, calei-me e fui à minha vida.

Nem 20 segundos após este monólogo e consequente teimosia da Lady Bébécas, oiço num crescendo um berreiro de fazer tremer a estrutura do edifício, as coelhas Diana e Victória assustadíssimas e o que restava do colar em dezenas de contas espalhadas pelo chão.

Não resisti ao típico "é bem feita, eu avisei" a que se seguiu uma sinfonia de choro ainda mais acentuada.

Tarefa seguinte: foi apanhar conta a conta e colocar numa tigela, recuso-me terminantemente a arranjar-lhe o colar pois o desvario foi fruto do facto de não acatar o que lhe digo, e a criança lá foi dizendo que ia pedir à tia para arranjar. Tudo bem, da minha parte já sabe que não mexo uma palha para lhe repor coisas que estraga sem qualquer necessidade.

No fim da "gincana" o ainda mais típico "gostas de mim mamã?".


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.