Avançar para o conteúdo principal

Ahahah, acabaram de me "oferecer" um cão

Ah e tal, para a Bébécas ter ainda mais um animal de estimação em casa - mas qual é a parte que já temos lá duas coelhas Toy que parecendo que não requerem bastantes cuidados e já andei quase um mês a alimentar e hidratar uma delas com uma seringa e papinhas de fruta.

E com um animal de estimação dito "exótico" de apenas 200/300grs na altura, gastei mais em veterinário, do que no valor comercial da criatura - não lamento o que gastei, pois os nossos Pet's merecem tudo.

Mas estão lá na sua gaiola cheia de condições e mimos, quando a Bébécas anda calma andam à solta dentro de casa a explorar todos os recantos e ela atrás delas, nem me fazem caganitas no chão, porque curiosamente a maior parte das necessidades fazem-nas no wc como os gatos, portanto para quem vive num andar, nada melhor.

O cão, até podia ser a criatura mais pequena, mais meiga, mais mais....mas só o facto de necessitar ir à rua uma série de vezes por dia, necessitar correr e saltar e ter aquele cheiro característico, põem-me a milhas de equacionar sequer essa hipótese.

Só quando nos sair a taluda e comprarmos uma vivenda com um belo jardim.

Portanto, cães para a Bébécas, nem pensar; censurado!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,