Avançar para o conteúdo principal

Talvez deva autoflagelar-me

Pois está claro, ontem cheguei a casa, ponho-me feita fútil de IPad a ver as cusquices das redes sociais, notícias dos jornais, etc., o tempo a passar, a roupa do ginásio a olhar para mim...os minutos a passar, e não fui. Não fui caramba, não fui ao ginásio e só por isso já devo ter inchado uns 2 quilos, no mínimo.

Fiquei chateada comigo, mas a verdade é que me soube tão bem ficar ali esticada naquele sofá a imaginar que hoje nem sequer seria dia de trabalho.

Depois começaram as conversas no whatsapp, os telefonemas, até a minha filha me ligou perto da meia noite, facto que me deixou uma pilha, mas isso já merece outro post - não me parece normal uma criança estar acordada àquelas horas, mas tudo bem, vou fazer um esforço por não me enervar muito, senão ainda tenho um ataque histérico. Ainda peguei no meu livro do momento que até é bom, mas a leitura não está a fluir porque tenho andado com um monte de coisas na cabeça e acabo por não ter a concentração necessária para avançar...e às tantas adormeci, que foi o melhor.

E cá estou eu pronta para mais um dia, It's Friday, I'm in Love como canta o meu querido Robert Smith e só por isso vou à praia à hora de almoço, que isto de se poder ir à praia a pé é um luxo!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,