Avançar para o conteúdo principal

Consegue um ser humano sobreviver com o coração fora do corpo?

O ser humano reinventa-se, adapta-se, aguenta-se, surpreende-se a si próprio.
Estou há 9 dias sem o meu pintainho, consegui estar com ela há 5 dias e parece que não a vejo há uma vida. Eu estaria bem melhor se soubesse que ela está bem, mas a verdade é que sei que não está. No sábado passado, não fosse eu estar acompanhada e me terem colocado algum bom senso na cabeça, eu tinha pegado no carro e teria ido buscá-la, custasse o que custasse.

Se um filho nos liga com voz de "socorro" não há bom senso que nos ilumine. E é nestes momentos que o facto de termos pilares ao nosso lado que nos fazem descer à terra nos traz alguma da serenidade que por momentos perdemos. Eu nem sequer estava naquele momento com capacidade para conduzir, a coisa ia correr mal com a outra parte e não augurava nada de bom para os próximos tempos.

Lá acalmei a pequena, com a calma com que eu própria não estava, lá a fiz perceber que nem sempre as coisas correm como queremos e que acima de tudo ela tem que se portar bem e fazer por aproveitar os dias de férias da melhor forma possível.

Ontem não a achei feliz, mas achei-a mais bem disposta, o que me fez respirar fundo e reduzir os meus níveis de stress.

Mas a verdade é que não serei a mesma enquanto o meu pintainho não voltar para debaixo da minha asa.

Comentários

Unknown disse…

Mãe que sentes a minha falta.... Palavras nunca serão suficientes para te agradecer a coragem de me teres escolhido para fazer parte da tua vida, apesar de todas as dificuldades... Seres a minha mãe e seres o meu pai ao mesmo tempo é uma responsabilidade que não devia existir...mas quis o rumo desta vida tão imprevisível que eu ficasse nas mãos de uma mulher desamparada na altura.... Mas essa mulher não se deixou abalar. Tu és forte e corajosa e, com muito amor no teu coração, batalhas para dares o teu melhor por quem mais amas....

São noites e noites sem dormir, por tantas preocupações que moram na cabeça de quem carrega os nossos problemas sozinha... Mas, quando a tristeza e o desânimo chegam, a mulher que é minha mãe e ao mesmo tempo meu pai, olha nos meus olhos, a filha que tanto desejaste e do qual nunca te arrependeste, e sentes as tuas forças renovadas para continuares...

Não há nada que faça uma mulher assim desistir. O teu coração é do tamanho do mundo e a tua determinação uma chama eterna.

Amo te Mãe
Obrigado do fundo do meu coração

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,