Avançar para o conteúdo principal

Consegue um ser humano sobreviver com o coração fora do corpo?

O ser humano reinventa-se, adapta-se, aguenta-se, surpreende-se a si próprio.
Estou há 9 dias sem o meu pintainho, consegui estar com ela há 5 dias e parece que não a vejo há uma vida. Eu estaria bem melhor se soubesse que ela está bem, mas a verdade é que sei que não está. No sábado passado, não fosse eu estar acompanhada e me terem colocado algum bom senso na cabeça, eu tinha pegado no carro e teria ido buscá-la, custasse o que custasse.

Se um filho nos liga com voz de "socorro" não há bom senso que nos ilumine. E é nestes momentos que o facto de termos pilares ao nosso lado que nos fazem descer à terra nos traz alguma da serenidade que por momentos perdemos. Eu nem sequer estava naquele momento com capacidade para conduzir, a coisa ia correr mal com a outra parte e não augurava nada de bom para os próximos tempos.

Lá acalmei a pequena, com a calma com que eu própria não estava, lá a fiz perceber que nem sempre as coisas correm como queremos e que acima de tudo ela tem que se portar bem e fazer por aproveitar os dias de férias da melhor forma possível.

Ontem não a achei feliz, mas achei-a mais bem disposta, o que me fez respirar fundo e reduzir os meus níveis de stress.

Mas a verdade é que não serei a mesma enquanto o meu pintainho não voltar para debaixo da minha asa.

Comentários

Unknown disse…

Mãe que sentes a minha falta.... Palavras nunca serão suficientes para te agradecer a coragem de me teres escolhido para fazer parte da tua vida, apesar de todas as dificuldades... Seres a minha mãe e seres o meu pai ao mesmo tempo é uma responsabilidade que não devia existir...mas quis o rumo desta vida tão imprevisível que eu ficasse nas mãos de uma mulher desamparada na altura.... Mas essa mulher não se deixou abalar. Tu és forte e corajosa e, com muito amor no teu coração, batalhas para dares o teu melhor por quem mais amas....

São noites e noites sem dormir, por tantas preocupações que moram na cabeça de quem carrega os nossos problemas sozinha... Mas, quando a tristeza e o desânimo chegam, a mulher que é minha mãe e ao mesmo tempo meu pai, olha nos meus olhos, a filha que tanto desejaste e do qual nunca te arrependeste, e sentes as tuas forças renovadas para continuares...

Não há nada que faça uma mulher assim desistir. O teu coração é do tamanho do mundo e a tua determinação uma chama eterna.

Amo te Mãe
Obrigado do fundo do meu coração

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.