Avançar para o conteúdo principal

Foi um filme, mas a verdade é que na vida real, as mulheres quando querem ser "danadas" são do piorio

Ontem pus-me a ver um filme de que gostei bastante, embora ao início pensasse que o desfecho seria totalmente diferente. "Em parte incerta".

Primeiro é-nos mostrada a parte idílica e maravilhosa de um casal, em contraposição com o desaparecimento misterioso dela, no dia em que se cumpriam 5 anos de casamento. Depois começamos a perceber que afinal o casamento não era assim tão perfeito, começamos a desconfiar que o marido é que deu sumiço à mulher. E afinal foi ela que, por vingança, engendrou o seu desaparecimento, para que o marido fosse condenado por um crime que não cometeu.

Claro que tem episódios rocambolescos - temos uma mulher que parece perfeita, mas não o é, um marido que parece super apaixonado, mas também não o é e uma série de peripécias que levam a que ela, completamente alucinada da cabeça ainda assassina um ex-namorado que também utiliza para se safar, passa impune, conta ao marido, uma série de chantagens...e ficam juntos no fim.

Existem tanto homens como mulheres que precisam de facto ao longo da vida de umas boas lições e este enredo foi de mestre, mas simular a própria morte, para um marido que merece uma lição se arriscar a ele próprio incorrer numa pena de morte...é demasiado. A loucura do dia-a-dia que se encarregasse dele, credo. Nunca mais teria um minuto de paz na minha consciência, por muito mal que me tivesse feito...e eu sei do que falo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,