Avançar para o conteúdo principal

Wedding Cake

Quis o destino que eu ficasse para tia, mas confesso que antes solteira do que viúva, ahahah. Agora a sério, como qualquer mulher, tive os meus momentos em que pensava num casamento de sonho, reunir as pessoas mais importantes e queridas, um belo vestido, um belo penteado, uma bela maquilhagem, poucas fotos porque para isso não tenho pachorra - mas a parte da festa bonita, para recordar para sempre, haja papel assinado ou não, teve o seu encanto para mim em tempos idos.

Tive em tempos a pessoa com quem tive o impulso para dar o passo, e o curioso é que a nossa visão de festa de arromba era muito semelhante. Uma coisa mais para o restrito, termos mesmo as pessoas mais importantes e nunca os primos de 4º grau e tios da vizinha do avô, uma cerimónia com toques campestres a lembrar a Provence, nada de damas de honor pirosas vestidas de igual - nisso estávamos de acordo, como também estivemos de acordo ao ponto de termos uma filha e deixámos de estar de acordo de todo, e honestamente não mais me passaram pela cabeça esses devaneios, talvez também porque os contos de fadas estão longe de ser reais e cada vez mais tenho a certeza que para castings amorosos eu não tenho a menor vocação.

Mas tragédias romanas à parte, ainda falta o bolo. E de tantos casamentos a que já assisti, tantas fotografias de bolos, tantas partilhas, nunca tinha visto um bolo que achasse que era aquilo - pensei a seu tempo em como gostaria que fosse, caso ocorresse, mas o bolo era sempre o calcanhar de Aquiles.

Até ver este feito pela minha querida Catarina Cerqueira @Mycakestore. Era isto, um misto de cor, abstracto, mas olho para ele e sinto qualquer coisa que me faz sorrir, transmite criatividade, uma certa alegria...seria qualquer coisa assim, o meu bolo dos noivos.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.