Avançar para o conteúdo principal

A minha filha está a habilitar-se a perder o direito de ter telemóvel pelos próximos 20 anos

Não sou a personificação da mãe histérica, controladora e que não deixa os filhos respirar, mas também tenho os meus limites.

Estive ontem com ela antes de rumar a sul com o pai - óptimo. O facto de ir fazer uma viagem grande sem mim, é óbvio que me deixa em alerta, sou mãe caramba. O facto dela não dizer nada, até entendo, mas o dito cujo por uma questão de princípio deveria ter o cuidado de ter mandado a miúda ligar a dizer que tinha chegado bem. Nada! Ontem à noite liguei para a miúda e não atendeu.

Ok, não fiquei histérica, penso sempre que as desgraças se sabem depressa, mas fica sempre aquela nuvem de preocupação. Não liguei para o pai da criança porque é pessoa para a qual eu não telefono, mas fiquei meia aborrecida.

Hoje de manhã vejo as horas a passar e nada. Ligo para o telemóvel dela...e sua excelência não atende. Lá tive que enviar uma mensagem ao adulto responsável para fazer o favor de dizer à filha para ligar à mãe, já que a mãe gostaria de saber se correu tudo bem com a viagem.

E nisto, passado um bocado lá liga ela e já levou nas orelhas. Temos muita pena, a mãe nem sequer lhe tem ligado porque não é de todo uma pessoa intrusiva e quer que ela esteja o mais à vontade possível nas férias com o pai, mas há limites. Se tem telefone e se vai fazer uma viagem grande tem a obrigação de dizer à mãe que correu tudo bem e de ver se tem chamadas não atendidas da mãe e retribuir. Ponto!

Mas que chatice quando estes miúdos começam a ganhar asas e voar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,