Avançar para o conteúdo principal

Big challenge

Já é uma tarefa árdua passar uns dias sem ela - o silêncio ensurdecedor de lá de casa, mata-me. Falta-me lá o furacão. Que estranho que é ter ontem arrumado as almofadas da sala e hoje de manhã estarem no mesmo lugar. As toalhas da casa de banho direitas. A loiça no sítio, os sapatos pequenos alinhados, não vejo papelinhos no chão, nem ganchos, nem bolas, cromos e bugigangas.

Credo, parece uma casa fantasma. Que estranho que é os dias em que me ponho aos "gritos" para ela arrumar as coisas e agora estranhar que se mantenha tudo como deixei. Falta o bocado da pasta de dentes azul que me fica invariavelmente no lavatório e que eu depois vou esfregar e o autoclismo que de quando em vez não puxa e tanta balbúrdia e confusão.

O desafio é viver estes dias como se ela lá estivesse. No sábado estive em negação, mas ontem, entrei no quarto dela e deitei mãos à obra e deram-me aquelas fúrias ao ver tanta desordem: "ai se ela aqui estivesse já me ia ouvir", "ai que castigo que ela ia ter sem Tablet nos próximos 20 anos", "ai a ratazana que me acumula garrafas de água na arca dos brinquedos", "ai a safada que andou a pintar a parede e a colar posters sem eu ver" - nem sabe ela a sorte que tem em não estar em casa. E no fundo, é esta desordem dela que me conforta, que me faz sentir a presença dela em em mim em cada detalhe.

As coisas dela estão tão desorganizadas e sabendo eu que só posso fazer uma limpeza geral quando ela não está, porque senão as tralhas a que chamo lixo lá continuariam, que o meu grande desafio para os próximos dias é voltar a colocar tudo em ordem, lavar peluches e almofadas, arrumar prateleiras, bonecas, legos e ter tudo um brinco para quando ela voltar. Miss my Magenta Unicorn so much.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.