Avançar para o conteúdo principal

Quando se trata de questões de vida ou morte, para não se dizerem blasfémias, vale mais estar calado

As redes sociais têm andado inundadas nos últimos dias de comentários acerca do estado de saúde de um actor/modelo/cantor de seu nome Ângelo Rodrigues, que está a a travar uma batalha pela vida devido a uma série de complicações alegadamente associadas à aplicação de injecções de testosterona nas nádegas.

É uma realidade que não conheço de todo este mundo que gira em torno destas substâncias, mas conheço pessoas do meio seio social que tomavam determinados suplementos e a curto/médio prazo viram-se a braços com uma ou outra complicação. Confesso que sempre pensei que as substâncias fossem aqueles batidos energéticos - não percebo nada disto, mas provavelmente num ou outro caso, pode até ter sido testosterona. Na verdade, não sei, nem me interessa. Interessa-me sobretudo que as pessoas estejam bem, com saúde e felizes consigo mesmas.

Se concordo que isso se faça? Em minha opinião devemos evitar comportamentos que coloquem em risco a nossa saúde e o nosso bem estar, e há comportamentos mais perigosos que outros, mas indo a extremos, se calhar este jovem até injectava testosterona para ficar mais musculado e não comia carne, eu não injecto mas não recuso um bom vinho e sou viciada em coca-cola. Ok, não é igual, mas tudo isto para dizer que num momento em que uma pessoa está a lutar pela vida, um jovem que ainda por cima, mesmo sem músculos, é bastante bem parecido, não vale a pena criticar as suas práticas e as suas escolhas, pois infelizmente este mau acaso já lhe está a mostrar que não foram a melhor opção.

O que sim deve existir é uma corrente de comentários de força, positivos e desejar que ele se safe desta da melhor forma possível e que recupere a saúde. Para todos nós, mais ou menos jovens, que fique o exemplo de que estas coisas podem correr muito mal e que a nossa saúde é a maior riqueza que temos - sem ela, não conseguimos ser mais nada, não conseguimos fazer mais nada, não conseguimos dar de nós...

E não conhecendo o rapaz de parte nenhuma, nem fazendo parte do seu clube de fãs, a verdade é que tenho para mim que ele se vai safar desta.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…