Avançar para o conteúdo principal

Orgulhos culinários

Estou tão emocionada, tão orgulhosa; a minha mãe é uma cozinheira de mão cheia e há coisas que por muito boas que eu já tenha degustado, não as há como as da minha mãe.

Não só porque cozinha muito bem, como também por ter muito brio e gosto naquilo que faz.

A mousse de chocolate é uma delas - mas como este ano o Natal foi cá em casa, como é óbvio deitei eu mãos à obra e corri o risco...olha, com muito amor e brio e carinho, aventurei-me a fazer mousse para presentear a minha mãe.

Nunca me tinha atrevido a fazer tal coisa para ela, pois sei que a avaliação seria muito rigorosa e a minha mãe é daquelas pessoas que não vai por meias medidas, magoe ou não, não poupa críticas quando tem que as fazer.

Olhou para o aspecto e disse logo - olha que a textura está perfeita; não usaste chocolate Pantagruel perguntou - ao que eu disse que não, mas que tinha utilizado um igualmente bom.

Ok, a côr com Pantagruel fica 2 tons acima...menos mal.

Quando provou, eu nem quis olhar....mas foi o gáudio geral; a minha mãe disse que estava irrepreensível, que ela não faria melhor...que estava excelente.
A minha filha repetia que estava tudo delicioso e os restantes comensais idem...well done girl, o que significou para mim aquela aprovação da Mummy :)


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,