Avançar para o conteúdo principal

O efeito "fazer cerimónia"

É lixado; se há coisa que eu sei que custa é ter o cabelo da minha filha, e ser penteada.

Custa e a pessoa que o faz tem que ter muita paciência; para além de cada um tem as suas partes do corpo mais sensíveis do que outras e no nosso caso, a cabeça é mesmo muito sensível.

Mas eu tenho todos os cuidados, demoro mais de uma hora se preciso for, mas ela mesmo antes de estarmos dedicadas à cabeleira, começa aos gritos.

I know that, eu era igual; a paciência que a minha avó tinha comigo...jamais me esquecerei; mas eu confesso que às vezes, nem se trata de paciência, mas de (falta) tempo - sair de manhã com ela impecável implica uma grande logística.

Pois que fiquei parva, pois na semana passada levou umas belas tesouradas (3 deditos) de comprimento que estava mesmo a precisar na cabeleireira dela (Tesourinhas) que recomendo vivamente para gente pequena e portou-se que nem uma princesa, fez um beicinho envergonhado, mas nada de gritos, de fugir com a cabeça, de stress...nada.

Pois, a isto chama-se vergonha na cara :); com a mãe não se fazem cerimónias e toca de rodar a baiana!

Comentários

Anónimo disse…
haha
E não nos dói mais quando os pequenitos fazem o beicinho envergonhado? Oooh...Fofinha!
Brown Eyes disse…
Sim, de facto tens razão, aquele beicinho faz-me doer a alma :)

Isto de se ser mãe é tramado!

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,