Avançar para o conteúdo principal

APARECEU!!!

Umas quantas horas depois e muitas lágrimas deitadas de parte a parte, a Orelhinhas da minha filha apareceu.

Hoje, à terceira foi de vez, e depois de a ter procurado por duas vezes avisei-a que cada vez mais tem que fixar onde coloca as coisas, sobretudo a Orelhinhas que é o boneco que ela tem desde que nasceu, dado por uma grande amiga da avó, que me conhece também desde bebé....a "Nainhas" como ela lhe chama, anda connosco para todo o lado, sejam férias, dias felizes ou tristes, campo ou praia, compras ou lazer...a "Nainhas" dorme com ela desde sempre e para a pôr na máquina a lavar é um martírio.

A "Nainhas" foi um dos personagens chave da festa do 2º aniversário, a "Nainhas" já tem a cabeça cosida e re-cosida e acredito que não a consigamos coser muitas mais vezes - é o boneco que tem o cheiro da mamã, e que, se por algum motivo se separa dela por momentos, cheira-a de uma forma tão intensa, como que a certificar-se que é ela mesma.

E neste momento estava eu a sofrer mais do que ela, porque tentei não me mostrar muito preocupada e ia deixar para amanhã o veredicto de que realmente a "Nainhas" tinha desaparecido.

Procurei na casa toda, nos locais mais improváveis e cheguei a pensar que, sem querer, ao pegar num monte de papéis que tinha deitado fora, que ela estivesse no meio e eu não a tenha visto - era a minha última esperança; ir ao contentor do lixo da rua procurar o saco...mas numa última esperança fui arredar a cama dela, que é pesadíssima, e embora eu já tivesse andado lá a espreitar...pelos vistos não tinha espreitado bem, porque lá estava a Orelhinhas atrofiada entre a cama dela e a parede. Desabei, chorei de alegria e fui pô-la ao lado dela, onde ela pertence.

Não ganhei para o susto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,