Avançar para o conteúdo principal

Estava há pouco a falar com uma colega acerca dos progressos da Bébécas

Isto porque ela tem um sobrinho de 5 meses (que curiosamente também nasceu a 4 de Julho na MAC), praticamente à mesma hora da Bébécas, mas com os tais 3 anos de diferença; ela está encantada com os progressos dele e sobretudo com as manhas, e claro acabamos sempre por trocar experiências.

E acabei por lhe dizer que enquanto são pequenos as novidades são diárias e dignas de registo e a cada dia que passa somos surpreendidos com o milagre que é esta dádiva que é ter crianças por perto - sejam nossos filhos ou não.

Assim, sem que nada o fizesse prever acaba de me perguntar:

 - Mamã, o roxo é de que côr?

Confesso que não atingi logo onde ela já tinha o raciocício e respondi-lhe que o roxo...é roxo!

 - Não mamã, o roxo é "peuple".

Ok, estava tudo dito, ela queria dizer que roxo = purple!


Comentários

Paula Braçais disse…
ohhhhhh que fofinha :) e que inteligente :) UAU!
Brown Eyes disse…
Pelo menos tem boa memória:) Consegue fixar o que aprende no curso de inglês o que me deixa a transbordar de orgulho.

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri