Avançar para o conteúdo principal

O carro é como a dona

Atrai o que não deve. Hoje ao sair do escritório de manhã, grande aparato no parque de estacionamento, honestamente nem dei muita atenção a não ser quando começo com o olhar a procurar o sítio onde tinha deixado o carro e vejo que estava precisamente no meio da confusão. O carro estacionado ao lado do meu bateu noutro que estava  (mal) estacionado em segunda fila, ainda galgou para cima do meu lugar e ficou assim a 5 milimetros do meu. Não sei a que velocidade aquilo foi, mas ficaram bem partidos por sinal. O meu carro, literalmente preso no meio daquela balbúrdia.

Lá dei uma voltinha para ver se tinha sobrado para mim, tive sorte por uma unha negra. Tinha um colega a fumar cá fora que lá viu a cena e conseguiu com perícia tirar-me o carro dali, porque à espera da polícia, seria complicado.

Refeita do episódio, nem 5 minutos depois vou nas calmas a circular na Marginal e percebo que o senhor da faixa da direita se aproximava em movimento uniformemente acelerado da minha, meio desgovernado. Para a esquerda eu não podia ir mais, porque embatia no separador de pedra, portanto esperei com alguma presença de espírito que ele tivesse ouvido a buzina e desviasse ainda mais rapidamente a sua trajectória. Acontece certamente quando se vai a enviar sms's à "pobre" da amante, porque à mulher não era de certeza, tal não era a cara de satisfação com que estava o dito senhor.

Bom, não veio para cima de mim por uma questão de milímetros também. Como não há duas sem três, espero sinceramente chegar a casa com o carro inteiro. Eu sei que atraio merda, mas com o Bob II não, por favor. Não se metam com a máquina, já basta meterem-se comigo.

PS: Ah e tal a tua linguagem! Será que quem possa eventualmente sentir-se ofendido por ler o que escrevi, ou seja, que atraio merda materializada em gente, já parou para pensar que tem que lavar a boca e a alma antes de me criticar, seja no que for!? Porque quem bem me conhece sabe que para eu perder as estribeiras, é preciso estar mesmo perante uma grande dose de porcaria. Tenho dito.

Comentários

Em Cabinda disse…
New Jersey e não é de pedra é de betão
Brown Eyes disse…
Estás a ver como são os engenheiros....e se eu te disser que naquela zona da Marginal o separador é em pedra, com calçada portuguesa e tudo.
Em Cabinda disse…
ups, não insisto mais então! Que tipo de pedra?
Brown Eyes disse…
Quando formos jantar à Capricciosa em vez de implicares com os empregados vês. 😊😊

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.