Avançar para o conteúdo principal

...e depois existem aquelas pessoas que, com todos os seus defeitos e virtudes, nos dão verdadeiras lições

Tive uma relação que durou uns bons anos e que como em tudo na vida, teve o seu fim. Quando me perguntam o porquê, digo a verdade...que não existiam os pilares onde deve assentar uma relação afectiva mas que a pessoa em questão foi das melhores que conheci. E tanto que foi que, apesar de eu ter terminado as coisas de uma forma bruta, porque não havia outro jeito na altura, aquela pessoa nas datas chave da minha vida continuou sempre fiel ao seu jeito, a demonstrar todo o seu carinho por mim e pela miúda. Eu com o meu mau feitio lá agradecia, mas não passava daí. Ano após ano, cada um seguiu o seu caminho há 4 anos atrás, mas a pessoa em questão nunca se esqueceu. E eu...limitei-me apenas a agradecer.

Até que para não fugir à regra, no dia de anos da miúda, mais uma vez não se esqueceu e eu, se calhar com menos mau feitio do que é meu apanágio voltei a agradecer, porque apesar de tudo tenho educação, mas escrevi qualquer coisa como “obrigada pela sempre lembrança” e recebi como resposta algo como “nunca me esqueço de ti e da Bébécas”. E aí tirei-lhe o chapéu e percebi que, apesar das suas peculiaridades, tem qualidades que eu não tenho. As coisas não correram como deveriam, eu fui bruta porque naquela altura não houve outra hipótese, ele podia ter todas as amarguras do mundo face a mim...e continua a ser, uma das poucas boas pessoas que conheci até hoje.

Hoje, era o dia dele e achei que devia fazê-lo sentir que, a minha memória guarda coisas boas, nomeadamente que hoje era o dia dele, e felicitei-o por mensagem. Igual a ele próprio, embora me tenha apanhado completamente desprevenida, ligou-me pouco depois. Não falávamos há quase 4 anos e após o impasse inicial, a simpatia, humildade e meiguice do costume. Que não podia deixar de me ligar a agradecer a minha mensagem, que tinha estado a falar de mim há 10 minutos com uma dada pessoa...pareceu-me bem, e após a surpresa inicial, fiquei feliz por tê-lo feito. Sinto-me bem comigo, acho que limei mais uma aresta das minhas imperfeições e ele ficou feliz por saber que também não me esqueci. E é isto que levamos da vida. Acima de tudo os afectos, darmos a quem merece, o melhor de nós que, por vezes anda escondido, muito à conta dos dissabores da vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.