Avançar para o conteúdo principal

Memórias de uma má mãe...ou será mãe má!?

Já há algum tempo que não lhe comprava as saquetas das bonecas LOL. É incrível como é que uma criança tão doce e inteligente se pode portar tão mal. Mas como eu andava de esguelha, interrompi o privilégio. Ontem, fomos ao supermercado, aproveitando o facto de não o ter pedido, achei que talvez fosse altura para retomar o mimo, claro que sempre racionado a priori. Pois que ainda estava na fila para pagar, já ela me estava a aborrecer e a empurrar o carrinho, após lhe ter dito para estar sossegada. Refilou, resmungou e eu....pimba! Disse-lhe que podia tirar “o cavalinho da chuva” que não iria abrir nenhuma saqueta. Como o dia já estava perdido ainda prevaricou mais um par de vezes.
Hoje de manhã avisei-a para que ficasse claro que era bom que não extravasasse. Ainda não tínhamos saído para ir votar, já estava aos gritos e a portar-se mal e eu....pimba!.... mais uma vez. Logo hoje que para mim também não é um dia dos bons, ela tinha que estar possuída.

Acalmou à tarde, e antes de deitar pediu para abrir uma saqueta. Disse-lhe que o direito para o fazer hoje já o tinha perdido, pelo que aguardemos por uma onda de boa educação. Na verdade também recebo o meu salário depois de trabalhar, portanto em casa a base é a mesma.

Fez um ruído que mais parecia o início de um vendaval, olhou para mim e disse:

“És MÁ mãe!”

Nossa, serei assim tão megera para a minha própria filha!?


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,