Avançar para o conteúdo principal

Quando a imagem até pesa a nosso favor

Confesso que me deu vontade de rir a primeira vez que vi a Deputada pelo Livre e o seu assessor a entrar na Assembleia no primeiro dia de plenário, ainda não se tinham levantado sequer as vozes de contestação/defesa - sou sempre muito atenta a estas coisas.

Também confesso que me causou, face a uma primeira análise alguma estranheza, mas talvez pela fotografia que circulou que era no mínimo cómica - a outra de vestido comprido vermelho a lembrar uma qualquer bruxinha dos cavaleiros da távola redonda e das Brumas de Avalon e o outro de saia comprida com soquetes verdes. Cómico, no mínimo. Mas depois, honestamente, é para o lado que eu durmo melhor se uma pessoa veste isto, ou aquilo, e desde que não choque com o meu quadro de valores, não me incomoda. Existem coisas bem piores e as quais infelizmente niguém trata de dissecar.

A verdade é que se não fosse a bela da pernoca ao léu, ninguém sabia quem era este senhor, na verdade, o senhor do momento. E que belo exemplar sim senhor. Para além de culto, o jovem é giro, tem pinta. Também não quero saber se é gay, ou não. Não são contas do meu rosário. O que de facto me interessa é que o rapazito é bem apessoado, e fica bem de qualquer maneira. Tenho dito.

"Ah, e tal, e não me digas que eras capaz de sair com um homem vestido de saia!?" A quem questionou...afirmo com toda a honestidade, que já saí com homens que não estavam vestidos de saia e que em termos de cultura, coitadinhos, e no resto até me atrevo a dizer que possivelmente terão muito a aprender com este jovem, que pelo que ouvi, é um fofo, um tipo com educação e valores, que é o que não abunda por aí.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.