Avançar para o conteúdo principal

A grande diferença entre a minha pessoa e a da minha filha

Eu era uma miúda extremamente bem educada, chegava até a ter uma postura principesca, tal não era a pressão que a minha mãe exercia, as chamadas de atenção constantes e os tabefes - talvez fosse assim por medo, não digo que não, mas a verdade é que não era uma miúda cínica, do género de dar graxa para ter alguma coisa, mas tinha um respeito acima da média à minha mãe e avó.

A minha filha é bem educada fora de casa, tirando quando decide responder à estalada na escola aos miúdos que a agridem. Mas sabe estar em sociedade, sabe respeitar os outros, sabe estar a uma mesa e não me envergonha. O problema surge mesmo quando quando eu entro na equação.

Ontem, fui buscá-la ao Centro de Estudos e não me veio dizer boa tarde, ou sequer dar um beijo. E mesmo depois de ter sido advertida por mim e depois pela professora, como é de gancho continuou a não o fazer. Ainda resumiu: "Tu não man-das!"

Isto com a minha mãezinha, teria sido logo um daqueles olhares que me faria entrar pelo chão dentro seguido de um sonoro e forte par de estalos. Há 30 anos atrás era assim, e tínhamos um medinho dos pais que até doía.

Com a minha filha abreviei a violência e fiquei-me por:

"Tal-vez não. Mas não te dou uma sa-que-ta da LOL!"

Como resposta tive um:

"Estava a brincar contigo mamã!" - mas nada de beijo nem de boa tarde pelo que perante esta resposta levou com um:

"Pois eu não estou a brincar e não levas a saqueta da LOL à mesma!"

É o que temos...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,