Avançar para o conteúdo principal

“A Queda dum Anjo”

E sem qualquer tentativa de evocar a obra de Camilo Castelo Branco, mas deve ter sido o que sentiu a minha filha, hoje, ao ver-me lavar....a retrete! Para os filhos a mãe é sempre a mais perfeita, a melhor cozinheira, a mais gira, mesmo que seja feia que nem uma matilha de Pugs, mas daí a ver a mãe, essa grande badalhoca, com a mão dentro da retrete e de esfregão na mão.....arghhhhh, que nojo.

Lá lhe expliquei que não obstante o facto de provavelmente nestes 9 anos e picos de convivência nunca tivesse reparado que a mãe quando lava a casa de banho, o interior da retrete está incluído, faz parte, necessita de ser higienizada porque sim, porque é um local que inclusivamente pode ser um foco de infeções, etc etc etc.

“Mas mãe, pôr lá a mão onde se faz cocó!?”

Pois é bebé, somos duquesas sem trono e como alguém tem de o fazer, aqui em casa tem que ser a mãe. Qualquer dia, também serás tu. Convém deixar tudo esclarecido para que não haja dúvidas.

Virou costas com um ar visivelmente incomodado. Esta maltinha deve pensar que as coisas aparecem feitas por artes mágicas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,