Avançar para o conteúdo principal

Acerca do "bebé sem rosto"

Sou mulher e mãe, uma mãe que sempre desejou ter filhos, uma mãe que teve o cuidado de planear juntamente com o pai da criança a gravidez, consultas antes de engravidar para saber se estava tudo bem com os dois, suplementos pré-concepção e todas as consultas e momentos clínicos que uma grávida deve fazer nas suas mais ou menos 40 semanas de gestação.

Não sou optimista por natureza, tenho amigas/amigos que já passaram por um ou outro contratempo nessa fase que deveria ser sempre maravilhosa, pelo que levei sempre o tempo de gravidez com a devida cautela, apreensão e confesso que nas primeiras ecografias colocava sempre questões se a criança tinha o nariz formado, se tinha os dedinhos todos, se a fenda palatina tinha fechado, se o percentil era normal - tinha um medo tremendo que me fosse dito algo que me fosse abanar o periodo mágico, mas sempre me foi dito que tinha ali uma rapariga perfeita e valente. Curiosamente o meu obstetra, para além de me fazer Ecografias no consultório, pedia sempre para fazer as específicas fora, e também tive a sorte apanhar outro médico fantástico. Mas com este caso dou comigo a pensar? E se fosse comigo?

A verdade é que cheguei a falar com o pai da minha filha, na altura da gravidez que, caso houvesse alguma má-formação, dependendo do que fosser, não saberia que decisão tomar, nem estava muito preparada para pensar nisso. Acho que criar vida dentro de nós é um dom e tudo o que possa colocar isso em causa tem que advir de argumentos muito fortes. O pai era mais frio e confesso que muitas vezes racional. Tivemos a sorte de ter uma filha maravilhosa e ainda me lembro o que me "doeu" vê-la nas primeiras horas de vida com algumas nódoas negras na carinha e nos braços, por causa dos fórceps. Tinha 32 anos quando ela nasceu, o pai 28. Não quero imaginar uma coisa semelhante a acontecer-me, com que forças iria eu suportar tamanha dor de olhar para um filho que vivesse quanto tempo vivesse, não iria ter uma vida normal. Os pais deste bebé têm ambos 20 e poucos anos. Desejo-lhes do fundo do coração muita paz de espírito, porque não consigo imaginar o sofrimento por que estarão a passar e o choque de olharem para o filho após o nascimento....eu dei-me ao luxo de contar 10 dedinhos nas mãos e 10 dedinhos nos pés e apreciar a perfeição das orelhas, mínimas como as minhas, mas lindas. Estes pais depararam-se com um filho.... "sem rosto". A vida tem destas ironias.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.