Avançar para o conteúdo principal

Coisas que só mulheres de bom gosto percebem

Primeiro era o Querubim, o giraço, o charme em pessoa. Veio com pose de “messias”, salvador da pátria. Carisma...tem, transborda sex appeal. É daqueles indivíduos que tem qualquer coisa sem ser uma beleza estonteante. Nem sequer gosto do nariz dele confesso. A prova de que um homem não precisa ser demasiado bonito para nos deixar de queixo caído.

Depois veio a surpresa com a Operação Marquês, as revelações. Ok, ainda não foi julgado, ainda não transitou em julgado qualquer sentença, mas ali não há gato, há raposa mesmo. E fiquei desiludida. Oh Sócrates, um tipo tão giro e alegadamente fez coisinhas tão feias. Pronto, já não gosto de si como gostava...mas, mesmo que eu não queira, o senhor continua a ser um charme. E essa gravata champanhe assenta-lhe que nem uma luva.

Mesmo sem o porte atlético de outrora, o fato continua a assentar-lhe muito bem. Não precisava ter-se portado mal. É tão giro....aiai


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,