Avançar para o conteúdo principal

O susto da minha irmã

Para além de termos 10 anos e meio de diferença, partilhamos "apenas" a mãe, porque o pai de cada uma é seu e não comum.

Andámos nas mesmas escolas, com os devidos anos de distância, desde a Primária até à Faculdade e tirámos o mesmo curso superior...uau, tirámos não, ela tirou o mesmo que eu, porque eu fui primeiro, ahahahahah.

Fora isso, pouco temos em comum; olhando para nós ninguém diria que somos irmãs, ela é mais focada para as ciências, eu para as letras, tem aptidões incríveis para todo o tipo de desenho, tem veia de artista.

...e não gosta nada de conduzir; para ela se decidir a tirar a carta, foi um suplício; porque não precisava, porque a rede de transportes públicos é muito boa, e por aí; mas enfim, lá tirou, fez aquilo num instante e tudo à primeira, mas esquiva-se de conduzir, como o Diabo da Cruz.

Na semana passada, a propósito das greves, lá se decidiu a levar o carro, correu tudo lindamente até que, na sexta-feira ao fim do dia, já muito perto de casa, não é que ficou literalmente sem travões!?

Depois de saber que tudo estava bem e que ela se saiu muito bem do problema, deu-me vontade de rir - imaginar o pânico dela a carregar no pedal e aquilo não dar nada - não tem graça nenhuma, mas depois de sabermos que tudo se resolveu pelo melhor, dá vontade de rir, eu até rebolei.

É preciso ter azar, uma pessoa com todas as reservas que ela tem a conduzir, ficar sem travões - só provou que são medos parvos e que perante uma adversidade fora do comum, conseguiu dar a volta e sozinha controlar a situação.

Well done manota!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri