Avançar para o conteúdo principal

Cada vez mais as pessoas se estão a transformar em voyeuristas

Os Big Brother's e programas dentro da mesma senda não ajudam (confesso que segui com algum interesse o programa dos gorditos, não pelas suas rotinas e afectividades, mas acima de tudo pela, pelas lágrimas por atingir um objectivo, pelo sucesso e superação) e as revistas de todas as cores, tão pouco.

Tudo bem que a população é muito vasta, cada fatia tem os seus interesses, mas cada vez mais acho que certas coisas não passam de lixo e podem colocar lá algumas pessoas também.

Não digo que a totalidade das pessoas que vão a estes reality shows sem qualquer objectivo manifesto (e aqui excluo os gorditos, os masterchef's, etc.) sejam pobres de espírito e refugo da sociedade, mas grande parte pelo pouco que vejo entre um e outro zapping, obviamente que o é.

São opções de vida, mas ralé, é ralé.

Agora, ir ao supermercado e ver pessoas paradas no meio dos corredores a folhearem as revistas que estão em venda, ávidas de ver a última fofoca acerca do divórcio da Bárbara Guimarães e do Manuel M. Carrilho - um divórcio como tantos outros, em que se cometem excessos de parte a parte como em tantos outros, com existência de escândalos como em tantos outros.

É triste, não se trata de uma novela e não entendo porque é que tantos anónimos gostam de fossar a vida alheia e muitas vezes não olham para o seu quintal, local em que se passam coisas semelhantes ou bem piores.

Comentários

Infelizmente, faz parte da sociedade...!


http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,