Avançar para o conteúdo principal

No dia de S. Martinho

Pelo menos nos anos em que morávamos em Lisboa, invariavelmente ao final do dia a minha mãe ia comigo passear pela baixa, ver as lojas, passagem obrigatória pela extinta Quermesse de Paris (raramente trazíamos de lá alguma coisa, mas para mim só entrar naquele mundo de brinquedos já era um sonho) e o nosso magusto. Castanhas assadas na hora para mãe e filha.

E que orgulhosa que eu andava com o meu cartuxo em punho, feito com papel da lista telefónica, a deliciar-me com as minhas belas castanhas. Lembro-me tão bem, e tinha os meus 3/4 anos...

Não vou para a baixa com a minha pequenita (não que ela não mereça) mas com esta constipação, ia custar-me a mim e a ela, e ainda ficávamos pior; vou aldrabar um pouco a tradição, fui ao Pingo Doce comprar um saco de castanhas congeladas, chegamos a casa, vão ao forno com sal e ficam formidáveis.

Um suminho a fazer de conta que é água pé, e lá vamos nós fazer o nosso magusto.



Comentários

Pretty in Pink disse…
O que interessa é a intenção =) E a companhia claro ;) Por isso aposto que o teu magusto foi óptimo =D

Boa semana :))

Beijinho*

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,