Avançar para o conteúdo principal

No dia de S. Martinho

Pelo menos nos anos em que morávamos em Lisboa, invariavelmente ao final do dia a minha mãe ia comigo passear pela baixa, ver as lojas, passagem obrigatória pela extinta Quermesse de Paris (raramente trazíamos de lá alguma coisa, mas para mim só entrar naquele mundo de brinquedos já era um sonho) e o nosso magusto. Castanhas assadas na hora para mãe e filha.

E que orgulhosa que eu andava com o meu cartuxo em punho, feito com papel da lista telefónica, a deliciar-me com as minhas belas castanhas. Lembro-me tão bem, e tinha os meus 3/4 anos...

Não vou para a baixa com a minha pequenita (não que ela não mereça) mas com esta constipação, ia custar-me a mim e a ela, e ainda ficávamos pior; vou aldrabar um pouco a tradição, fui ao Pingo Doce comprar um saco de castanhas congeladas, chegamos a casa, vão ao forno com sal e ficam formidáveis.

Um suminho a fazer de conta que é água pé, e lá vamos nós fazer o nosso magusto.



Comentários

Pretty in Pink disse…
O que interessa é a intenção =) E a companhia claro ;) Por isso aposto que o teu magusto foi óptimo =D

Boa semana :))

Beijinho*

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri