Avançar para o conteúdo principal

Pancas

 Quem não as tem? Talvez a minha maior das maiores sejam os dentes: os meus, os dos meus e até os dos outros. Não há nada como dentes tratados, bonitos, limpinhos e por aí.

Uma dentição sem estas características estraga tudo. Para além de me ter sido facultada alguma sorte, geneticamente falando, eu superei. Os meus dentes saíram um misto dos dos meus pais, mas em bom. Não são 100% alinhados, mas talvez a graça seja essa, tendo em conta que são dentes sem intervenções mecânicas, sem recurso a aparelhos na infância, zero. Portanto a minha mãe não pagou em ouro para eu ter estes dentinhos, o que os torna para mim ainda mais “valiosos”.

Mas há que manter e eu confesso que embora saiba que os devia ir limpar de 6 em 6 meses, deixo invariavelmente passar mais tempo. Porque embora indolor, aquilo custa-me e adio….até começar a sentir que as gengivas sangram mais do que deviam, começo a imaginar o tártaro a surgir e…nem pensar. Se há coisa que abomino são bocas mal tratadas e a minha para tal tem que ser um exemplo.

Vai daí, doente com uma gripe das antigas e tudo, mas com a autorização da minha higienista dado que já fiz mais um teste Covid e deu negativo, lá fui eu, e como tenho que ter algumas virtudes ela nem se zangou muito comigo. Os dentes embora precisassem da sua manutenção, estavam óptimos. Mas também haverá alguém que na mesma escovagem de dentes utilize escova eléctrica, mais escova manual, mais fio dentário e mais escovilhão? Já dizia a minha avó que de facto ninguém pode sentir nojo de beijar esta boquinha!

Et voilà!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…