Avançar para o conteúdo principal

44

 Já são 44. Completei na passada sexta-feira 44 anos de vida com tudo a que uma vida tem direito e também com aquilo a que não deveria ter. Mas faz parte. A isso se chama crescer e no meu caso, crescer e sofrer estão na mesma dimensão. Mas sofrer pode não ser sempre necessariamente mau, porque faz-nos crescer. Estas dicotomias são complexas.

Mas tive um dia em que recebi muito amor. Tanto que dei comigo a pensar que poderia querer dizer alguma coisa, ou nada em especial. Quem sabe se será uma última celebração da (minha) ou à (minha) vida, ou o fim de um ciclo para o início de outro, que pode ser melhor ou pior…não sei. A cada dia que passa, sabê-lo-ei.

Recebi muito amor, estive com as pessoas mais importantes para mim, e todas as pessoas de quem gosto sem excepção estiveram presentes, física ou virtualmente, com uma palavra, um abraço, um mimo. Senti o coração cheio, preenchido, quente como nunca tinha sentido em pleno num dia de aniversário. 

A minha irmã como sempre, atenta, amiga, sensível, irmã essa que tanto precisa da minha força e do meu abraço…esteve lá para garantir que o meu dia seria dedicado a mim, em todos os detalhes.

Resta-me agradecer-lhe pelo bolo maravilhoso que me dedicou e que foi uma surpresa de vida. Uma viagem de sonho que ainda não fiz, uma disciplina que me apaixona, e um misticismo que me fascina, tudo em doce. E agradecer a todos quantos estiveram comigo fisicamente ou em pensamento. Estou mesmo tão grata. E é isto, já conto com 44 anos de vida!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,