Avançar para o conteúdo principal

A minha vida inteira enganada

 Ou desde que tenho dentes vá.

Já todos sabemos que tenho a panca dos dentes bonitos e bocas sãs. A minha filha seguiu a sua mestre e acho que eleva essa panca à décima potência sendo que não há dia que ela não observe a sua dentadura. Há uns tempos deu um grito e disse-me que parecia que tinha uma cárie num molar. Andei lá a ver e fiquei na dúvida se seria cárie ou tártaro porque a marca era quase invisível, mas, marquei consulta na dentista dela.

Hoje lá fomos. Os elogios do costume, que nunca tinha visto uma criança com uns dentes tão bem cuidados, com uma escovagem irrepreensível. Aqui a mãe orgulhosa claro. Mas…não é que o magano do dente tinha mesmo uma cárie!? Pequenina mas tinha.

Explicação, sendo que falta de mestria não escovagem não é. Alguma fragilidade no esmalte daquele dente que o tornou mais frágil e sendo molar…tau. Mas como a miúda não anda a dormir e antes mesmo do meu olhar clínico que, amiúde lhe faz revisão à boca, deu o sinal de alerta e lá fomos nós. 

Tratou o dente, está como novo, portou-se bem, com umas lagrimitas envergonhadas ao levar a anestesia…mas aguentou-se firme e valente, perguntando todos os passos à médica que até um espelho de mão lhe deu para ela acompanhar o processo. O interesse foi tanto e as questões que colocou tão pertinentes, que, para além de me ter apercebido que ela já levava a lição estudada by Google, dei comigo a pensar se a miúda ainda não me vai para Medicina Dentária. A ver vamos.

Mas nisto e como a conversa é como as cerejas diz-me a médica o que quando escovamos os dentes, nunca, mas nunca devemos passar a boca por água, isto é, após a escovagem devemos cuspir (não há uma palavra que melhor especifique a coisa) o excesso de pasta e jamais bochechar com água. A ideia é ficarmos mesmo com restos de pasta dentífrica, dose essa que nos vai repor os níveis de flúor, ajudar a evitar a sensibilidade dentária e evitar a formação de cáries.

Juro que não sabia. Não me posso queixar porque não tive até hoje experiências a reportar com dentes estragados, algo de que muito me orgulho mas….a tendência é para isto melhorar. Porque agora que aprendi esta, não volto a bochechar. 

Já estou a imaginar naquele dia que há-de chegar em que fizerem o levantamento das minhas ossadas, o coveiro até se vai benzer de ver um esqueleto com uma dentição tão perfeitinha. Serei um fenómeno, venham antropólogos forenses estudar este espécime que fui eu.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…