Avançar para o conteúdo principal

A mensagem de Natal

 Aquela que mais me tocou e que prova que não é preciso usar de subterfúgios ou frases feitas que se partilham por toda a gente, sem qualquer rigor conceptual. Cada pessoa com quem mantemos qualquer tipo de relação é distinta e merece de nós essa distinção.

Talvez seja das pessoas que menos partilhe votos - não sou por um lado adepta de grandes correntes de comunicação que vemos proliferar nesta altura, e não gosto de facto do desejo de votos em série, qual massificação de sentimentos ou da tentativa de os demonstrar, quando muitas vezes, na realidade não existem e só o fazem...para parecer bem.

Portanto e desde sempre, sejam votos de Feliz Natal, Feliz Ano Novo, Aniversários e afins só o faço a quem de facto considero bem ou que, de algum modo, estimo. Tudo o resto fica no lado do joio - não que deseje mal a quem fica para trás, pelo contrário....mas é uma questão de coerência. Para quem em algum momento não me tratou bem, não creio ser de todo coerente nestas alturas, marcar presença. A presença, o cuidado, o carinho e o apego emocional, deveriam ir muito além de quadras festivas, porque precisamos das pessoas sempre, já que nestas datas está quem queremos e quem não nos acrescenta rigorosamente nada.

Por isso fiz as chamadas telefónicas e enviei mensagens a quem tem um lugar no meu coração, seja que tipo de lugar for, esteja aqui mesmo ao lado, ou noutro país. Há sempre pessoas que ficam surpreendidas com a minha lembrança, tal como eu fico surpreendida com a lembrança de algumas, mas é o garante de que, por vezes mesmo com uma grande distância física, estamos no coração uns dos outros.

Tive várias mensagens e chamadas que me preencheram o coração, de pessoas que tenho como "minhas" não obstante não convivermos amiúde mas hoje recebi uma que me tocou em especial. Uma pessoa que conheço há alguns anos, falamos quase todos os dias, não nos vemos fisicamente com a frequência que a nossa amizade merece, mas é o possível. Nestes últimos meses, em que precisei tanto de uma palavra amiga, deu-me essa palavra, deu-me carinho, conforto...e houve alturas em que me deu abanões fortes.

Hoje para além de outras particularidades disse-me: "eu vou estando por aqui (...) e estou porque gosto muito de ti, mas também porque completas o meu dia."

Está no meu coração há uns bons anos e assolapou-me a alma. Termino esta jornada que foi este ano tão peculiar com algo que deu luz ao meu coração. Aqui está a prova de que os amigos, também se podem amar de uma forma tão pura. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,