Avançar para o conteúdo principal

Ode à loucura...ou tive finalmente coragem para...

Há mais de 20 anos que dizia para mim que um dia haveria de ler o Mein Kampf. A verdade é que é preciso ter estofo e presença de espirito para gastar dinheiro nisto e lê-lo, mas não só nunca gostei de coisas fáceis como também tenho uma sede de conhecimento ávida. Não podemos conhecer apenas o belo, já que o horrível também faz parte da História. Acredito piamente no muito que se tem escrito sobre esta “obra” mas uma das coisas que há décadas conservava na minha to do list nesta vida era lê-lo. Absorver trecho sobre trecho onde chegou a loucura daquela criatura, que quer queiramos quer não, mudou o rumo das nossas vidas.
Tenho a noção que me vai revolver as entranhas, incomodar, enervar, bradar aos céus várias vezes, querer atirá-lo para a lareira e vê-lo a arder, como se visse o próprio a arder no inferno figurado, mas também sei que esperei muitos anos por isto e finalmente me sinto com maturidade suficiente para me fazer acompanhar por ele pelos próximos dias.
Terei posteriormente a minha opinião acerca de tão nefasta escritura.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri