Avançar para o conteúdo principal

Como o estado actual da sociedade nos faz desconfiar...e quando o nosso coração nos impele a ajudar

De passeio por uma avenida como tantas da nossa cidade, ia com uma amiga distraída na conversa ao que um indivíduo nos trava, cada uma acelerou o passo, ele ia dizendo para não termos medo e eu com aquele instinto de ir andando mas a olhar para ele e saiu-me um:

“Desculpe, estamos com pressa, o que pretende?”

Lá disse que tinha vindo do Alentejo há uns dias para trabalhar, que foi enganado, que lhe tinham roubado 300€, que andava a dormir na rua, e se lhe podíamos dar alguma coisa para comer. Ficámos estáticas. A verdade é que olhei para ele a tentar perceber se alguma daquela narrativa era real, não estava com ar de quem tivesse consumido substâncias...mas...é tudo tão estranho. Ok, tem fome, estávamos em frente a uma pastelaria entreolhámo-nos e em perfeita sintonia dissemos que se ele quisesse comer, lhe pagaríamos a despesa. Os olhos dele sorriram, o homem até cresceu, fez-me tanta pena. Disse que lhe apetecia um croissant com creme de ovo e um leite com chocolate. Lá pedimos, mesmo assim no meio daquele episódio lembrei-me de lhe perguntar se ele gostava de queijo, disse que sim, como se a ouro me referisse. Pedi para lhe prepararem uma sandes de queijo, que embrulhassem para ele comer mais tarde, pagámos as duas a conta. Veio atrás de nós dizendo que não tinha dinheiro para nos pagar, mas que nos podia carregar as compras ou fazer o que fosse preciso.

Desejámos-lhe que conseguisse resolver minimamente a vida, voltámos ao nosso caminho e durante uns momentos não conseguimos falar. Depois, respirámos ambas fundo e sentimos que tínhamos com  tão pouco a cada uma, melhorar o dia de alguém.

Não deixou de me fazer impressão o senhor da pastelaria ter sido incapaz de dar alguma coisa ao homem, mas a vida assim. As acções ficam mesmo para quem as pratica.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…