Avançar para o conteúdo principal

Saídas tontas de pessoas ainda mais tontas

Estava eu a sair recentemente do hipermercado, carregada com alguns sacos de compras, a minha Bébécas a agarrar-me com vigor o dedo mínimo da mão direita e eis que sem querer se coloca quase à frente de uma senhora, e eu, quase instantaneamente disse-lhe assim:

 - Cuidado filha, olha a senhora.

A Bébécas percebeu, recuou e não é que a senhora, já de alguma idade, mas com ar de quem ainda não tinha perdido as suas faculdades mentais me começa a cercar a criança, a dizer que era muito bonita e muito fofinha e que a ia roubar e levá-la para casa!?

Escusado será dizer que a Bébécas estava assustadíssima com os olhos prestes a explodir de lágrimas, tentava a custo subir por mim acima e gritava que queria a mamã, que queria a mamã.

A velhota lá continuava naquele devaneio, depois tentou agarrar a miúda e beijá-la à força, mas isto tudo numa fracção de segundos, lá atirei os sacos para o chão, agarrei na miúda com firmeza, e lá lhe fui dizendo que a senhora estava a brincar e que não lhe ia fazer mal, mas que de facto foi assim um bocadinho tonta!

Lancei um olhar à velhota que até deitou faíscas; e depois no carro lá lhe fui dizendo que é muito importante que nunca largue a mão da mãe, que não vá atrás de desconhecidos e que sempre que lhe apeteça sair do sítio onde estamos, que tem que dizer e não sair a correr, para não se perder.

Pergunta dela:

 - É por causa disso que eu tenho esta puxéia mamã (a pulseira Estou Aqui que fomos buscar à PSP)?

 - É por causa do homem mau não me roubar!?

Bem, lá lhe expliquei que a pulseira é importante para não se perder, e caso aconteça o Sr. Polícia sabe logo quem é a mamã dela e vai entregá-la; agora sinceramente a parte do "homem mau" teve outra abordagem; lá viu no Inspector Max alguns senhores maus a aprontarem e acha que aqueles são os "maus".

Com algum tacto lhe vou dizendo que há pessoas boas e pessoas assim mal comportadas que às vezes têm que ficar de castigo porque fazem maldades, mas são só pouquinhas, o resto é tudo gente boa - é tão complicado explicar o mundo real aos nossos bebés.


Comentários

Xica Maria disse…
Há pessoas que não sabem mesmo o seu lugar! Incrível!

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…