Avançar para o conteúdo principal

E o Bob decidiu pregar-me uma partida

Já depois de ter entregue a Bébécas à fiel depositária, sem que nada o fizesse prever, rodo a chave e oiço um frio  "plinc".

Boa! Mas a bateria tem (tinha) exactamente a idade da minha filha, menos uns dias, vá. Lembro-me de precisar do carro para ir à farmácia comprar coisas urgentes para ela, um calor horrível, eu sozinha escada abaixo e escada acima com ela agarrada à minha mama a mamar...enfim, um dia para esquecer; sempre achei que durasse mais tempo.

Ainda pensei no motor de arranque enquanto não vinha o reboque...no alternador, mas ao tentar abrir os vidros eles quase não se mexiam, portanto a bateria estava descarregada, isso já era facto consumado; agora se o alternador não estivesse a funcionar ainda era mais uma chatice...menos mal, chegou o reboque, eu entretanto já tinha pedido o carro da minha mãe emprestado, acabou por não ser preciso graças ao bocadinho de carga que o Sr. do reboque lhe deu, fui até à oficina e bateria nova com ele, não se fala mais nisso.

E foi a paródia do dia, este "brinquedo" que me fez sair do bolso o valor de uns sapatos da Tommy que eu andava a namorar. Ora bolas!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri