Avançar para o conteúdo principal

Provas de amor

Quando tive o meu primeiro animal de estimação, a long long time ago experimentei o que é receber provas de "amor" desinteressado, sem esperar nada em troca - só com o alimento e os cuidados básicos os nossos animais já nos dão o máximo da sua devoção - curioso é que mesmo em casos que são vítimas de maus tratos, conseguem ser dóceis e reconhecer o seu dono, virtude que já não encaixa em muitos dos seres humanos que por aí andam.

Adiante, esse detalhe pouco importa para o caso.

Ao ser mãe, experimentei outro expoente máximo desse amor; com dias de vida e sem grandes capacidades de visão era observá-la a franzir o nariz e a reconhecer o meu cheiro à distância; passados os dias e os meses, foi-me presenteando com os melhores sorrisos, as melhores gracinhas, os melhores beijinhos, abraços, "abreijos" e cedo chegámos à fase da hipotética admiração, o querer ser igual a mim e ter a certeza no coração e na mente dela, de que sou a mãe mais lindinha de todas (Bébécas dixit).

Somamos o facto de estar também na fase em que não me quer desiludir em momento algum e perante algum descuido ou mau comportamento remata, mesmo antes de eu lhe "abrir os olhos":

 - Estás tiche comigo mamã?...isto seguido do beicinho e choro copioso.

Não tenho dúvidas de que é o maior amor da minha vida e dadas as circunstâncias que nos envolvem, mesmo que a natureza me permita/permitisse ter mais filhos, esta relação com a Bébécas será sempre muito especial, sem dúvida que pelos "piores" motivos.

É o verdadeiro amor, do qual tenho diversas provas diárias, desinteressado e sem pedir nada em troca, apenas o meu amor de mãe, que é tão pouco, comparado com tudo  o que ela me dá.

...mas num contexto diferente, recebi há uns dias também uma prova de amor, de preocupação, de carinho, um "será que já percebeste que estou ao teu lado para o melhor e para o pior", quando tal acontecimento não era nada óbvio.

A minha reacção:

 - Não acredito.

Post Scriptum: Ficou registada a prova de amor e oportunamente falaremos sobre isso.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…