Avançar para o conteúdo principal

Deixei escapar um prazo

O que não é habitual, ou seja, creio que é inédito na minha existência...ou quase...

Algumas decisões que tomei até hoje foram amplamente ponderadas e assumidas, outras, já tendo sido ponderadas, ainda se encontram em fase de amadurecimento e a sua concretização será bem mais lá para a frente, se a mãe natureza o permitir - se morrer amanhã, ou hoje mesmo, apenas o lamento por "deixar" para trás a minha filha, que é a minha melhor criação e precisa de mim, o resto são tretas.

Mas a verdade é que tenho uma sede de saber elevada; sempre a tive, aliada talvez a uma grande curiosidade, embora nem tudo me interesse, provavelmente até bem menos do que seria desejável.

Em mais jovem, sabia que um dia iria ser estudante universitária, iria ter o belo do "canudo" e de preferência o mais cedo possível, porque demorar muito tempo a fazer as coisas aborrece-me; ao fim do 3º ano de curso já estava cansada e queria acabar o mais cedo possível, ainda explorei a hipótese de poder fazer 2 anos num, mas este país com as regras que tem não anda para a frente.

Depois quis entrar no ano imediatamente a seguir para Filosofia, mas como o nosso país teima em não andar para a frente e a certidão de habilitações nunca mais saía e a vontade do meu querido Professor Paquete de Oliveira em que eu descansasse a cabeça também era grande, não foi possível candidatar-me logo.

Enfim, com o início da vida activa, um bom emprego na altura (visto que de uma recém licenciada de tratava), a arrogância própria dos 22 anos em que julgamos ter o "mundo aos nossos pés" comecei numa de fazer tudo ao mesmo tempo, fazer o Mestrado na Católica (que continua lá à minha espera), aprender coisas novas, viajar, namorar que também faz falta e os anos foram passando mas sempre com a certeza de que aos 40 anos, com o Mestrado concluído ou sem ele, a 2ª licenciatura tinha que estar no papo.

Houston! Então não é que falhei a data de candidatura por uma semana, agora só mesmo para o ano e aí, não posso mesmo ter nenhum acidente de percurso, pois terei que a fazer nos 4 anos supostos para a terminar aos 40!? E porquê? Porque sim, sei lá, é uma conta redonda e sobretudo porque cada vez me faz mais falta o meu académico, não qualquer um, mas aquele que eu pretendo alcançar, aprender umas coisitas novas, porque uma pessoa quando está uns anos sem estudar embrutece!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.