Avançar para o conteúdo principal

É tão difícil

De facto, desde o último trimestre da minha gravidez até agora, que não tem sido fácil.

Nem tudo foi mau, tive uma filha perfeita, até à data saudável que compensa em larga medida tudo o que de mau ensombra a história, mas mesmo assim é difícil.

Os primeiros dias em casa não foram fáceis, o problema de saúde que tive umas semanas após o parto não foi fácil, o ter deixado de amamentar numa altura em que não o foi por minha opção pessoal, nem tão pouco por não produzir, mas por uma situação bastante pior...foi algo que me marcou, o último dia em amamentei a minha filha pela última vez e o que sofri sempre que ela procurava o meu peito e eu não lho podia dar...doeu e dói quando me lembro.

Após se habituar à vida cá fora, as noites eram tranquilas, se bem que tinha que me sentir por perto, e aí a nossa "Orelhinhas" foi das melhores prendas que lhe podiam ter oferecido, pois o facto de ter o meu cheiro faz com até hoje seja um dos brinquedos que consegue a bravura de a tranquilizar.

A fase dos dentes também não foi fácil, muitas dores, muito incómodo, aquele susto do internamento aos 10 meses, a alegria das primeiras palavras, dos primeiros beijinhos, do gatinhar, dos primeiros passos....um stress com aquela maldita diarreia que me punha em pânico de cada vez que tinha que lhe mudar a fralda, pois aquele rabinho estava um caos...e foi aí que descobri que a urgência pediátrica do Hospital da Luz é muito mais ao meu gosto do que a das "Descobertas".

Enfim, tudo coisas corriqueiras mas que para uma mãe de primeira viagem sozinha a arcar com tudo...não é de todo fácil.

Curiosamente aos quase 32 meses de vida, dá-me mais noites más agora, do que nos primeiros dias; para além de que o choro é bem mais forte e procupa-me que os vizinhos acordem em sobressalto com a choradeira; lá passo de quando em vez umas quantas noites com ela às costas, e depois lá vou trabalhar só eu sei com que coragem, a dever muitas horas ao meu merecido descanso.

E é precisamente nas alturas em que me sente (e estou) mais esgotada, que ela mais demonstra o quanto precisa de mim. Freud tem uma teoria para o que eu estou a viver neste momento: um apego desmesurado à minha pessoa, o querer copiar tudo aquilo que vê em mim, o enaltecer a beleza que talvez apenas seja visível para ela e o sindrome do abandono. Por mais que eu lhe diga que o facto de me afastar num ou noutro momento, não quer dizer que me vá embora...ela ainda não o entende. É preciso eu estar a carregar toneladas de sacos de compras para ela querer partilhar também o meu colo; já dei comigo a desfalecer, sentar-me no vão de escadas com os sacos de um lado, ela do outro, e correr uma lágrima sorrateira (sem que ela veja), tudo por exaustão...e pensar que quanto mais nos dedicamos às pessoas, mais patadas levamos...mas ela é uma das duas inocentes de todo este episódio, a mais inocente de todas.

....então pego nela, nos sacos que consigo, o resto fica onde está, e faço as viagens necessárias para carregar tudo, incluindo a pequena, para cima e para baixo.
Aconteceu há uns dias deixar esquecida no rés-do-chão uma palete de leite, dar pela falta dela um dia depois, e curiosamente lá estava a dita à minha espera (tenho vizinhos muito honestos).

Mas esta fase, está a ser a pior dos últimos tempos e por muito que Freud tenha deixado obra feita, nem sempre consigo aplicar na prática tudo aquilo que aprendi; se há coisa que abomino são as birras de atirar para o chão....depois cada herói é um crítico, educação é-lhe dada em casa, mas que esta fase está a ser desgastante, está. Não posso esquecer que tudo o que se passou nos últimos tempos de gravidez se reflecte nalgumas atitudes dela, alguns medos, algumas revoltas, mas tenho alturas em que ainda não consegui perceber qual a melhor forma, para ela, de actuar.

No fundo, não é daquelas crianças exigentes que quer isto e aquilo, não faz cenas nas lojas a querer trazer coisas que não pode...apenas me quer de uma forma peculiar e está numa fase que tudo o que faço, digo, visto, enfim...é para ser seguido à risca porque a mamã "é muito bonita".

Parece simples, mas não é mesmo nada fácil.

Espero continuar a ter forças, sabedoria, coragem para conseguir ultrapassar todas as fases por que ela vai passar nos próximos tempos, ter a capacidade de continuar a dar-lhe tanto ou mais amor do que lhe tenho dado, educação, paciência e sobretudo mecanismos que ajudem a que estas fases mais "duras" de desenvolvimento da personalidade sejam softs. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…