Avançar para o conteúdo principal

É tão difícil

De facto, desde o último trimestre da minha gravidez até agora, que não tem sido fácil.

Nem tudo foi mau, tive uma filha perfeita, até à data saudável que compensa em larga medida tudo o que de mau ensombra a história, mas mesmo assim é difícil.

Os primeiros dias em casa não foram fáceis, o problema de saúde que tive umas semanas após o parto não foi fácil, o ter deixado de amamentar numa altura em que não o foi por minha opção pessoal, nem tão pouco por não produzir, mas por uma situação bastante pior...foi algo que me marcou, o último dia em amamentei a minha filha pela última vez e o que sofri sempre que ela procurava o meu peito e eu não lho podia dar...doeu e dói quando me lembro.

Após se habituar à vida cá fora, as noites eram tranquilas, se bem que tinha que me sentir por perto, e aí a nossa "Orelhinhas" foi das melhores prendas que lhe podiam ter oferecido, pois o facto de ter o meu cheiro faz com até hoje seja um dos brinquedos que consegue a bravura de a tranquilizar.

A fase dos dentes também não foi fácil, muitas dores, muito incómodo, aquele susto do internamento aos 10 meses, a alegria das primeiras palavras, dos primeiros beijinhos, do gatinhar, dos primeiros passos....um stress com aquela maldita diarreia que me punha em pânico de cada vez que tinha que lhe mudar a fralda, pois aquele rabinho estava um caos...e foi aí que descobri que a urgência pediátrica do Hospital da Luz é muito mais ao meu gosto do que a das "Descobertas".

Enfim, tudo coisas corriqueiras mas que para uma mãe de primeira viagem sozinha a arcar com tudo...não é de todo fácil.

Curiosamente aos quase 32 meses de vida, dá-me mais noites más agora, do que nos primeiros dias; para além de que o choro é bem mais forte e procupa-me que os vizinhos acordem em sobressalto com a choradeira; lá passo de quando em vez umas quantas noites com ela às costas, e depois lá vou trabalhar só eu sei com que coragem, a dever muitas horas ao meu merecido descanso.

E é precisamente nas alturas em que me sente (e estou) mais esgotada, que ela mais demonstra o quanto precisa de mim. Freud tem uma teoria para o que eu estou a viver neste momento: um apego desmesurado à minha pessoa, o querer copiar tudo aquilo que vê em mim, o enaltecer a beleza que talvez apenas seja visível para ela e o sindrome do abandono. Por mais que eu lhe diga que o facto de me afastar num ou noutro momento, não quer dizer que me vá embora...ela ainda não o entende. É preciso eu estar a carregar toneladas de sacos de compras para ela querer partilhar também o meu colo; já dei comigo a desfalecer, sentar-me no vão de escadas com os sacos de um lado, ela do outro, e correr uma lágrima sorrateira (sem que ela veja), tudo por exaustão...e pensar que quanto mais nos dedicamos às pessoas, mais patadas levamos...mas ela é uma das duas inocentes de todo este episódio, a mais inocente de todas.

....então pego nela, nos sacos que consigo, o resto fica onde está, e faço as viagens necessárias para carregar tudo, incluindo a pequena, para cima e para baixo.
Aconteceu há uns dias deixar esquecida no rés-do-chão uma palete de leite, dar pela falta dela um dia depois, e curiosamente lá estava a dita à minha espera (tenho vizinhos muito honestos).

Mas esta fase, está a ser a pior dos últimos tempos e por muito que Freud tenha deixado obra feita, nem sempre consigo aplicar na prática tudo aquilo que aprendi; se há coisa que abomino são as birras de atirar para o chão....depois cada herói é um crítico, educação é-lhe dada em casa, mas que esta fase está a ser desgastante, está. Não posso esquecer que tudo o que se passou nos últimos tempos de gravidez se reflecte nalgumas atitudes dela, alguns medos, algumas revoltas, mas tenho alturas em que ainda não consegui perceber qual a melhor forma, para ela, de actuar.

No fundo, não é daquelas crianças exigentes que quer isto e aquilo, não faz cenas nas lojas a querer trazer coisas que não pode...apenas me quer de uma forma peculiar e está numa fase que tudo o que faço, digo, visto, enfim...é para ser seguido à risca porque a mamã "é muito bonita".

Parece simples, mas não é mesmo nada fácil.

Espero continuar a ter forças, sabedoria, coragem para conseguir ultrapassar todas as fases por que ela vai passar nos próximos tempos, ter a capacidade de continuar a dar-lhe tanto ou mais amor do que lhe tenho dado, educação, paciência e sobretudo mecanismos que ajudem a que estas fases mais "duras" de desenvolvimento da personalidade sejam softs. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.