Avançar para o conteúdo principal

At Work

Isto de se trabalhar numa empresa muito grande, implementada em vários países, desde a Austrália, Médio Oriente, Europa, América...tem que se lhe diga.

Tenho aprendido muito, acedo a áreas que jamais pensei em ter contacto sendo eu socióloga, desenvolvo projectos em áreas que tão pouco pensava ter os skills necessários para os fazer.

O facto de trabalhar não só com os colegas que partilham o Open Space, como também com aqueles que se espalham pelos 4 cantos do mundo, faz com que tenha uma visão muito mais alargada de como se trabalha lá fora, dos objectivos, do espírito de equipa, concorrência, competição saudável e acima de tudo partilha de experiências e saberes.

E é incrível como conseguimos ter afinidades com pessoas com as quais nos cruzamos tão só uma vez por ano, entre uma visita e/ou uma reunião que fazemos por aí, mas com quem somos capazes de falar muito mais do que com aqueles que são os nossos amigos de todos os dias.

Ao longo destes anos na Companhia já fiz alguns amigos, pessoas fantásticas em que após uma quezília laboral do quotidiano, sabemos que podemos sempre contar uns com os outros....aprendemos uns com os outros, as críticas são construtivas e assim dá gosto seguir em frente.

Hoje, "levei nas orelhas" da minha chefe, que dada a nossa estrutura, está num país que não o nosso e tem uma nacionalidade que não a nossa: apanhou-me online nos sistemas da empresa e comentou se por acaso não era feriado em PT.

Lá lhe disse que sim, com efeito era feriado em termos de office, mas a empresa estando a laborar normalmente e eu co-responsável por um departamento de execução, não ficava descansada se não deitasse um olho à casa - comprovou-se que em boa hora o fiz, pois foi necessário resolver uma ou outra ponta solta.

E a minha chefe a mandar-me desligar a máquina e ir descansar e usufruir deste dia de descanso...faço parte de uma equipa mesmo muito positiva. Bem Hajam!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.