Avançar para o conteúdo principal

Destralhar

 Quem nos lê e nos conhece, já sabe como é a minha filha. Tem 11 anos e é, como deveria ser, uma criança. Eu gosto dela assim. Não é nenhuma bebé, embora para mim o vá ser sempre, mas tão pouco é uma mulher em ponto pequeno, e eu também não gostaria que o fosse.

Quando oiço mães com filhas da idade da minha dizerem com orgulho que as filhas estão muito adultas para a idade….até me arrepio e confesso que fujo um bocado. Deixem as crianças gozar a sua infância, que é tão, mas tão curta. Têm tempo para questões adultas quando adultas forem. Mas enfim, cada um sabe de si, e dos seus filhos.

E por isso mesmo não tive qualquer pressa em retirar brinquedos do quarto, pesem as críticas de alguns iluminados que de visita a minha casa se punham a tecer considerações acerca da quantidade de brinquedos existente no quarto da minha filha. Teve muitos brinquedos e ainda bem que os teve. Já eu, na idade dela….não os tinha e sei bem a falta que me fizeram algumas tralhas próprias dessas idades. Na verdade nunca lhe comprei brinquedos em quantidade mas ela teve a sorte de ser a única neta, una sobrinha, ter uns padrinhos fantásticos e amigos que sempre a foram enchendo de bonecos, jogos, livros…e foi tão bom.

Mas ainda que continue a ser criança e a gostar de brincar, obviamente que já vai querendo também outras coisas e os limites da nossa casa são pequenos e por isso tenho andado aos poucos a “destralhar” para ir dando lugar ao quarto de uma menina mais crescida. Tudo é negociado e respeitando o tempo dela, pois cada coisa que retiro se traduz em mais um item que lhe vai custando a infância despreocupada para dar lugar ao caminho tortuoso que vai ser a adolescência.

Hoje, desmantelei a cozinha e todos os seus apetrechos. Foi das prendas com que ela mais vibrou e deu largas à sua imaginação e criatividade. Fi-lo sem ela cá estar para que, quando chegue veja o espaço que ganhámos e não passe pelo choque que é para ela ver-me encaixotar.

Em mim, fica um misto de saudade, pelos tempos dela que não vão voltar mais e que não vou viver mais, e um sentimento de uma missão quase cumprida. Quase a sairmos da infância e entrarmos noutra fase. Foi tão rápido, difícil por vezes, mas sempre, sempre grata à vida por me ter dado uma filha maravilhosa e de quem eu tanto gosto ver sorrir!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…