Avançar para o conteúdo principal

Pessoas que não sabem nada de anatomia animal

 E mais grave que isso, têm uma certa predisposição para a desgraça e vêem tumores onde eles não existem. Voltemos atrás.

O Xá, gato de cá de casa, e da minha filha em particular é um Persa preto do mais querido que há. Bonacheirão, pede festas a toda a hora, chegando eu a pensar que há por ali um altear-ego canídeo. Pois que o Xá foi tosquiado há umas semanas atrás, porque estava com o pêlo a precisar de uma boa renovação. 

Pois que ter um gato persa tosquiado, mal comparado, deve ser parecido com ter um porco com crina de cavalo. Fica no mínimo descaracterizado e ele próprio andou uns dias que não se reconhecia e fugia da própria sombra.

Quando finalmente se deixou ver outra vez a minha filha muito espantada, perante uma protuberância avantajada veio, com aquelas risadinhas que vão do modo tímido ao atrevido dizer que, eram os testículos e a pilinha do Xá.

Eu que não tinha reparado em nada, mas que sei que as miudezas dos gatos não têm dimensão para se verem assim de uma forma tão nítida, disse-lhe logo que ela estava a ver coisas a mais, mas ela insistia.

Quando consegui caçar o gato, obviamente que não lhe vislumbrei nada desse género de miudeza mas…que de facto existia ali um volume pendurado na zona da barriga, existia. Algo que nunca tinha reparado e que faz sentido, dado o pêlo de um persa que os transforma numa bola disso mesmo…pêlo.

Se por um lado aquilo me causou estranheza, fiquei atenta e por vezes aquele volume parecia estar disfarçado. Fase dois: peguei nele e pus-me a palpá-lo com cuidado para perceber se se tratava de uma massa, mas a verdade é que não. Não sentia nada e quando o esticava aquilo dissipava-se. Mas cá dentro a preocupação perseguia-me e já olhava para o Xá a pensar que o animal estava com um cancro, que tinha que ser operado, fazer quimioterapia, etc.

Lá voltou o Xá novamente ao seu veterinário de sempre, e eu assim a medo:

“Dr. eu estou muito preocupada porque acho que o Xá tem um tumor na barriga!”

O veterinário do Xá é assim das pessoas mais queridas, divertidas e que facilmente nos entra no coração e nos carrega no coração dele. A verdade é que já nos conhecemos há mais de 10 anos e é nele que confio para tratar do meu animal e, às vezes, até as palavras que ele reserva para mim, a nível pessoal, me curam algumas dores.

E nisto resposta dele, a rir que nem um perdido:

“Portanto estás com medo que o Xá tenha um tumor. Ahahah, tem tem, ele tem é banha e gordura. Comidinha à descrição, não faz nada e está gordo!”

Que alívio. E que risada geral naquele consultório. Boa Xá, és o maior.

(e se dúvidas houvesse, eu para veterinária não tinha mesmo qualquer vocação; onde já se viu encontrar tumores onde apenas há tecido adiposo!)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…