Avançar para o conteúdo principal

Quando optamos por adiar por alguns minutos a hora de irmos buscar um filho, como forma de evitar ter que lhe falhar

Eu explico: uma semana que ainda agora começou e promete ser de truz a vários níveis. O meu nível de me fazer de tonta para evitar confrontos, perdeu o filtro e isso também se reflecte em todas as vertentes da minha vida.
Mas como até sofro de carência de ferro no organismo, deixo-me cair ao sabor da tempestade.

Um dia passado em torno da nossa capital, mas que me fez percorrer 100kms, mais um consulta médica ao fim do dia e claro, a cereja no centro do bolo, natação.

Cheguei ao ponto de partida ainda seria cedo para rumar à piscina e pensei que se a fosse logo buscar ao ATL e passasse por casa, nem uma grua me arrancaria de lá. Então fiz o inverso. Vim até casa, encostei-me alguns minutos, troquei de sapatos e lá fui buscar a cria, arrastando-me para a levar à natação. Sou recebida com o feitio de contradição do costume e a recusa em ir à natação.

Pensei com os meus botões: Mas que mal fiz eu a Deus para depois de tudo, aturar isto!?

A meio do caminho lá se recompôs, depois fez as suas cenas no balneário para se vestir, eu quase a desistir de continuar ali e, a muito custo lá consegui que entrasse na piscina às 19:40h, 10 minutos atrasada e eu a explicar-lhe que era uma tremenda falta de respeito pelos outros e acima de tudo pelo Prof. Fred que tanto gosta dela.

Entrada na água, virou peixe, ou sereia sei lá, tal não é a elegância daquele corpo. E se num momento me irrita e me faz sair da zona azul, no outro faz-me amá-la ainda mais.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.