Avançar para o conteúdo principal

Girls Afternoon Out at the Museu de História Natural e da Ciência

Pelo facto de já me sentir bem melhor após a cirurgia ortopédica do mês passado, ainda que não esteja propriamente a 100%, levei avante a ideia de que basta de inércia e há que retomar a energia, o movimento e as boas experiências.

Peguei na cria e rumámos ao Museu de História Natural, tudo a ver connosco, ou não gostássemos ambas do que visa o museu. A cabeça dela parecia uma ventoinha, sem saber muito bem para onde se virar e eu felicíssima por vê-la assim e por estar num ambiente que tanto me agrada. Dizer se ela gostou mais dos Dinossauros, do Laboratório Químico, do Museu da Medicina, ou do Planetário...não consigo, mas sei que vibrou, leu, questionou, observou, com uma sede que me encantou.

Aqueles claustros ganharam vida com ela a percorrer cada sala, cada corredor, cada exposição temporária. E teve tanta sorte que, perante uma exposição de autor, em que observávamos figuras mitológicas e perante os comentários dela, se aproxima de nós o próprio artista a explicar a sua obra e o que víamos. Édipo versus Electra e o próprio do Jorge Barreto a confidenciar-nos o que viu quando criou aqueles quadros. Ainda demos dois dedos de conversa acerca da mitologia grega e lá saímos daquela sala com um sorriso nos lábios.

E cada vez mais, tenho uma grande companheira para as lides culturais.






Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.