Avançar para o conteúdo principal

Daquelas situações que me fazem começar aos vómitos desde sempre

Não, não estou a enfatizar. É mesmo verdade. Gosto de apreciar umas mãos bonitas, gosto de sorrisos bonitos e por aí fora, mas há algo ainda mais inusitado e que, quando não está com um aspecto razoável, me causa um remeximento nas vísceras. A palavra não é melhor, mas é mesmo do que se trata.

Ora bem, o tempo começa a aquecer, as pessoas, sejam do género masculino, feminino, transgénero, transsexual e/ou indefinido toca de deixarem andar o pézinho ao fresco e muito bem que eu quando posso faço o mesmo.

Os meus pés não são bonitos, pelo que não vou discutir belezas mas sim asseio! É incrível como as pessoas podem ser tão descuidadas e mesmo assim descaradas. Ele são fungos, ele são unhas por cortar, ele são unhas imundas e nem quero pensar em mais o quê!

Não é preciso andar na pedicure para ter os pés minimamente asseados e quanto aos fungos, bom, confesso por experiência própria que se gasta bom dinheiro para os tratar - sim, a verdade é que ninguém está livre e eu própria apanhei uma porcaria dessas há uns bons anos atrás quando no final da minha gravidez e sem ter capacidade física para cortar as unhas, fui à primeira pedicure que me apareceu e pois, devia ter os instrumentos tão bem esterilizados quanto a cara dela e arranjou-me um 31 nos dois dedos mais pequenos do pé direito, que me vi obrigada a andar na dermatologista por mais de um ano para debelar o bicho. É de facto um tratamento chatinho.

Até entendo que pessoas com recursos reduzidos não o possam fazer o que é triste, porque os fungos não tratados podem dar origem a situações bem piores, alastrar e por aí e entendo que este tipo de tratamento deveria ser bem mais acessível, mas...o que não entendo é que pessoas com recursos acima da média nacional apresentem pés que dão vómitos, tal não é a porcaria. E que mesmo assim, se atrevam a partilhá-lhos com a humanidade. Haja decoro, já que pelos vistos não há asseio.

Comentários

Minhas Escolhas disse…
O que eu já me ri!! Bolas nem quero imaginar o que viste! :)

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.