Avançar para o conteúdo principal

Não me quero imaginar a passar por uma situação dantesca como um Incêndio

Lembro-me de há muitos anos atrás ter ido passear para a zona de Porto Côvo, lavrar por ali um incêndio em que parecia estar tudo cercado, embora não estivesse, tratava-se "apenas" de uma ilusão imposta pelo excesso de fumo, a fracção de segundos em que se pensa, dar meia volta ao carro e fugir.

Outra situação ocorreu quando me deslocava à Galiza, notei uma organização diferente da que assisti aqui, os avisos faziam-se visíveis uns bons quilómetros antes do cenário, mas sentia-mos que podíamos avançar em "segurança". Passou apenas a utilizar-se uma via da autoestrada para fazer os 2 sentidos, cheguei ao meu destino sem desvios, mas também foi um susto valente.

O calor, o cheiro, as faúlhas, o ardor nos olhos...uma gota no oceano de quem está literalmente cercado no meio do fogo, e como ser humano que sou, não posso dizer que reagiria de uma forma ou de outra. Salvar a vida, ou salvar os bens? Os bens sem mim, não são nada, ou antes, ficarão para quem de direito, mas eu sem os bens posso continuar a existir, com dificuldades, mas sim, posso existir.

Mas por aqui se vê p valor que o ser humano dá à matéria e o pouco que dá à vida humana. Impressiona-me ver aqueles seres humanos quase que a lutar com as forças de segurança por não quererem deixarem as suas casas, preferirem morrer ali queimados - e deve ser das mortes mais horríveis. E depois, as autoridades não usam a força, não os deixam com uma ou outra nódoa negra, deixam-nos ali e são crucificados por terem deixado morrer inocentes carbonizados.

Caramba, aquelas pessoas para além de estarem a trabalhar, também arriscam as suas vidas por nós. Não, não quero nem pensar passar por uma situação dessas, mas a vida humana para mim, continua a ser um bem mais valioso do que tudo o resto...bom, depende do humano, mas aí já seria uma outra dissertação.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.